No Rio, ONU discute papel da ciência e da tecnologia para a saúde e o bem-estar

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

O Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas, o Mecanismo de Facilitação de Tecnologia da ONU, o Centro Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (Centro RIO+) e a Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) promoveram na semana passada uma consulta internacional sobre o papel da ciência, da tecnologia e da inovação no cumprimento da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, especialmente no que se refere à saúde e ao bem-estar.

Representantes e especialistas de setor privado, governo, organizações não governamentais e instituições de pesquisa estiveram presentes em apresentações e debates cujo foco foi o cumprimento da Agenda 2030 por meio da ciência, da tecnologia e da inovação. Discutiu-se também oportunidades de avanço na saúde e experiências de uso de plataformas online.

O Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas, o Mecanismo de Facilitação de Tecnologia da ONU, o Centro Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (Centro RIO+) e a Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) promoveram na semana passada (6,7 e 8) uma consulta internacional sobre o papel da ciência, da tecnologia e da inovação no cumprimento da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, especialmente no que se refere à saúde e ao bem-estar.

Representantes e especialistas de setor privado, governo, organizações não governamentais e instituições de pesquisa estiveram presentes em apresentações e debates cujo foco foi o cumprimento da Agenda 2030 por meio da ciência, da tecnologia e da inovação. Discutiu-se também oportunidades de avanço na saúde e experiências de uso de plataformas online.

Entre as principais questões discutidas, estiveram as formas de mapear o progresso e a eficácia de mecanismos e políticas que integrem saúde e inovação e maneiras de priorizá-los; iniciativas para potencializar a saúde como referência de monitoramento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e suas metas; a identificação de características específicas da inovação em saúde a serem levadas em consideração na construção de uma plataforma de ciência e tecnologia na saúde; entre outros temas.

Segundo Rômulo Paes de Sousa, diretor do Centro RIO+, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), “a consulta realizada pelo Sistema ONU sobre tecnologia, ciência e inovação na saúde é fundamental por estar ligada ao tema do desenvolvimento”.

International Consultation on ST&I for 2030 Agenda

“A saúde é o segundo grande consumidor de ciência, tecnologia e inovação. Ocorre que, com a Agenda 2030, o setor precisa ser atualizado com conteúdo de inclusão, de preservação de recursos naturais, de integração de políticas públicas. A grande experiência acumulada pela saúde dentro do tema de CT&I (ciência, tecnologia e inovação) precisa chegar agora em um novo patamar — um patamar mais inclusivo, mais justo para o planeta e para todos.”

Durante os debates do terceiro dia, que trataram da troca de experiências de uso de tecnologias sociais, inovação, participação civil e ODS, diversas falas apontaram a capacidade mobilizadora da ciência e da tecnologia. Segundo os participantes, os investimentos nessa área devem ir além da pesquisa, podendo criar mecanismos de participação para “não deixar ninguém para trás”.

Destacou-se também as tecnologias sociais como forma de preencher lacunas de desenvolvimento. Foram lançadas no evento duas plataformas digitais que visam ao avanço colaborativo e participativo do desenvolvimento sustentável, como a Ágora 2030, da FIOCRUZ; e o We App Heroes, idealizado pelo Centro RIO+ em parceria com a rede Sunscious Ltd.

Ao final, participantes da consulta internacional elaboraram recomendações a serem enviadas para o Fórum de Ciência, Tecnologia e Inovação e o Fórum Político de Alto Nível do próximo ano. O evento também teve como objetivo fortalecer as capacidades de aproveitamento de iniciativas embrionárias em operacionalizar novos mecanismos de facilitação tecnológica para o alcance dos ODS nos níveis local, nacional e regional.


Mais notícias de:

Comente

comentários