No Rio, estudantes conhecem sobrevivente do Holocausto para aprender sobre a 2ª Guerra

No Rio de Janeiro, estudantes da rede municipal se encontraram com um sobrevivente do regime nazista em uma aula especial sobre a perseguição aos judeus durante a Segunda Guerra Mundial. Anualmente, a ONU marca o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, 27 de janeiro.

Este slideshow necessita de JavaScript.

No Rio de Janeiro, estudantes de escolas públicas se encontraram em novembro passado com um sobrevivente do Holocausto para uma conversar sobre a Segunda Guerra Mundial e direitos humanos. Os colégios municipais Nelson Prudêncio, Anísio Teixeira e Rotary, na Ilha do Governador, zona norte da capital fluminense, participaram de uma jornada de conscientização sobre a perseguição aos judeus e outras minorias.

Anualmente, a ONU marca o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, 27 de janeiro.

“Muitas pessoas não acreditam que o Holocausto aconteceu. O Holocausto aconteceu, sim. Eu vivi essa parte da história. E o que eu gostaria de transmitir, e que os jovens assimilassem, é a história verdadeira e o respeito aos direitos humanos”, disse o sobrevivente do regime nazista, Jorge Trédler, em entrevista ao Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio).

Durante o encontro com os alunos da rede pública, no Ginásio Olímpico Nelson Prudêncio, na Ilha do Governador, Trédler contou que ele e sua família fugiram da Polônia em 1939, quando a Alemanha nazista invadiu e ocupou o país. Eles foram para a Rússia em busca de proteção. No entanto, assim que chegaram, os pais de Trédler foram levados pela polícia secreta soviética para um Gulag — campo de trabalho forçado da ex-União Soviética. Com apenas quatro anos, Trédler e a irmã, de sete, ficaram sozinhos. Sem pais, abrigo ou comida, o sobrevivente conta que se alimentava de grama e capim para não morrer de fome.

Para Trédler, falar sobre o Holocausto nas escolas brasileiras é transmitir para as crianças uma parte da história “que não pode ser esquecida”.

“O respeito aos direitos humanos é o respeito à história do nosso passado”, afirmou.

A aula especial fez parte da Jornada Interdisciplinar de Ensino do Holocausto, organizada pela Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro e pela Associação B’nai B’rith. Realizada todos os anos, a iniciativa promove uma programação de palestras e atividades para complementar o trabalho dos professores de História, que já abordam o tema nas aulas regulares. O evento também busca estimular entre os alunos uma reflexão sobre intolerância e preconceito.

Na avaliação do professor de História Roberto Antunes, as escolas devem discutir esse assunto junto com questões de direitos humanos e direitos do cidadão para que “as novas gerações ajudem a melhorar o nosso país”.

“Uma vez, trabalhando o regime nazista com uma turma de 6º ano, uma aluna minha começou a chorar. Ela disse que seu pai tinha sido morto em uma situação de intolerância e desrespeito aos direitos do cidadão. Aquilo me mostrou o quanto é necessário falar sobre esse tema”, explicou o docente.

“Como dizem os nossos amigos sobreviventes: esquecer jamais!”, completou Antunes.

De acordo com o professor, o Rio de Janeiro sempre deu ênfase a esse tema no currículo de História, mesmo antes da aprovação, em 2011, de uma lei municipal que torna obrigatório o aprendizado sobre o Holocausto no ensino fundamental.

Também presente na aula, a desembargadora Denise Trédler, casada com o sobrevivente, disse que é imprescindível que professores e pedagogos ampliem os conhecimentos sobre a história do povo judeu e da Segunda Guerra Mundial e promovam debates sobre racismo e antissemitismo no ambiente escolar.

“Não dá para falar sobre o Holocausto sem falar nas gravíssimas violações de direitos humanos dos judeus e de todos os outros que perderam os maiores bens que o ser humano pode ter: a liberdade e a dignidade”, disse a magistrada, observando que “os jovens precisam ter a memória dos fatos para evitar que eles se repitam”.

O Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto foi criado pela Assembleia Geral da ONU em 2005, com a adoção de uma resolução que não apenas estabeleceu a data, mas também rejeitou toda e qualquer negação do Holocausto como um evento histórico. O texto condena todas as manifestações de intolerância religiosa, incitação, assédio ou violência contra pessoas ou comunidades, com base em origem étnica ou crença religiosa, em qualquer lugar.


Comente

comentários