No Rio de Janeiro, refugiados visitam exposição sobre a África

O passeio foi organizado pela Cáritas RJ em parceria com a UERJ. O objetivo do projeto é facilitar a integração de refugiados à sociedade brasileira. Confira nesse vídeo do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio).

No início de março, um grupo de refugiados visitou a exposição ‘Ex Africa’, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) Rio de Janeiro. A mostra de arte africana contemporânea, em cartaz até o dia 26 de março, é a maior que já passou pelo Brasil.

“Eu fiquei bastante chocado com a parte sobre a escravidão, ao ver as imagens verídicas, que mostram coisas que aconteceram no passado e que, possivelmente, continuam a acontecer hoje em dia, porque a escravidão no mundo não acabou”, disse Mansour Ridha, refugiado da Tunísia.

A visita é uma iniciativa do curso de português da Cáritas RJ, organização que, com o apoio da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), promove a proteção e promoção social dos direitos de refugiados e solicitantes de refúgio.

O objetivo do projeto, desenvolvido em parceria com a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), é facilitar a integração de refugiados à sociedade brasileira.

“Esse projeto busca apresentar as instituições culturais e espaços de memória para os refugiados. Tentamos assim inseri-los na sociedade brasileira através de uma cidadania em que eles possam se perceber como cidadãos que podem usufruir da cidade em vez de apenas trabalhar nela”, disse Alexandre Ribeiro Neto, professor da Faculdade de Educação da Baixada Fluminense da UERJ.

A UERJ é integrante da Cátedra Sérgio Vieira de Mello, implementada em 2003 pelo ACNUR em toda a América Latina.

Por meio da cooperação com centros universitários nacionais e com o Comitê Nacional para Refugiados, a cátedra procura difundir o ensino e a formação universitária sobre questões relacionadas ao refúgio. Outra prioridade é o trabalho direto com os refugiados por meio de projetos comunitários.

O tema da exposição dialoga com a Década Internacional de Afrodescendentes (2015-2024), reconhecido pela comunidade internacional como grupo distinto cujos direitos humanos precisam ser promovidos e protegidos.

Saiba mais sobre a exposição na reportagem do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) disponível aqui.

Saiba mais sobre a Década Internacional de Afrodescendentes em decada-afro-onu.org.

Saiba mais sobre a exposição Ex Africa em culturabancodobrasil.com.br/portal/ex-africa-2.


Comente

comentários