No Dia Mundial da Saúde Mental, Ban Ki-moon pede mais recursos para tratamento de transtornos mentais.

O Secretário-Geral Ban Ki-moon, declarou ao mundo a urgência de alocar mais recursos para o tratamento de doenças mentais. “ Mortes, invalidez e sofrimentos causados por distúrbios mentais precisam encontrar o devido lugar na agenda da saúde pública”, disse Ban numa mensagem para marcar o Dia Mundial da Saúde Mental.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) , uma a cada quatro pessoas irão necessitar de tratamentos para doenças mentais em algum ponto de suas vidas e no entanto, os gastos globais em saúde mental ainda são, em média, menos de 3 dólares per capita por ano.

A crise da economia associada a políticas de austeridade fiscal estão provocando um aumento na incidência de doenças mentais, exacerbando o fato de que problemas mentais frequentemente estão associados a problemas financeiros e representam um enorme encargo às famílias pelo alto custo dos tratamentos. Segundo a OMS, “grupos de baixa e média renda são os mais afetados: mais de três quartos das pessoas que precisam de cuidados de saúde mental nem sequer recebem os serviços mais básicos.”

Além disso, “indivíduos com doenças mentais e suas respectivas famílias carregam estigmas e sofrem discriminações, privando-os de seus direitos civis e políticos e restringindo suas habilidades de participar na vida pública de suas sociedades”, pontuou Ban Ki-moon.

Tentando combater esse quadro, a OMS lançou o Programa de Ação contra a Lacuna [gap] em Saúde Mental (mhGAP) , com o objetivo de dar assistência aos países no aumento de serviços de tratamento de distúrbios mentais e neurológicos. O programa fornece conhecimentos e habilidades para os profissionais de saúde, como médicos, enfermeiros e profissionais de saúde, para identificar e gerir esses transtornos.