No Dia dos Direitos Humanos, Nações Unidas celebram ativismo de jovens do mundo todo

As Nações Unidas estão enfatizando a importância dos jovens em liderar o caminho para um futuro melhor para todos no Dia dos Direitos Humanos deste ano, celebrado nesta terça-feira (10).

Os jovens estão “dando vida aos direitos humanos”, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, em mensagem para a data.

“Globalmente, os jovens estão protestando, se organizando e se manifestando: em defesa do direito a um ambiente saudável, pela igualdade de direitos de mulheres e meninas, de participar da tomada de decisões e de expressar suas opiniões livremente”, afirmou.

No último mês de março, milhares de jovens foram às ruas em 123 países para pedir medidas urgentes contra as mudanças climáticas. O Brasil não ficou de fora da paralisação, conhecida pelo nome “Fridays for Future” (Sextas pelo futuro).

No último mês de março, milhares de jovens foram às ruas em 123 países para pedir medidas urgentes contra as mudanças climáticas. O Brasil não ficou de fora da paralisação, conhecida pelo nome “Fridays for Future” (Sextas pelo futuro).

As Nações Unidas estão enfatizando a importância dos jovens em liderar o caminho para um futuro melhor para todos no Dia dos Direitos Humanos deste ano, celebrado nesta terça-feira (10).

Os jovens estão “dando vida aos direitos humanos”, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, em mensagem para a data.

“Globalmente, os jovens estão protestando, se organizando e se manifestando: em defesa do direito a um ambiente saudável, pela igualdade de direitos de mulheres e meninas, de participar da tomada de decisões e de expressar suas opiniões livremente”, afirmou.

“Eles estão se manifestando por seu direito a um futuro de paz, justiça e igualdade de oportunidades.”

O Dia dos Direitos Humanos comemora a adoção, em 10 de dezembro de 1948, pela Assembleia Geral da ONU, da histórica Declaração Universal dos Direitos Humanos, que proclama os direitos inalienáveis ​​de todas as pessoas.

É um lembrete anual de que todos têm direito a todos os direitos civis, políticos, econômicos, sociais e culturais, independentemente de raça, etnia, religião, origem social, gênero, orientação sexual, deficiência ou qualquer outro status.

Elogios à liderança dos jovens na ação climática

A observância deste ano ocorre no momento em que os países se reúnem em Madri, na Espanha, para a Conferência da ONU sobre Mudança Climática, a COP25, lembrou a alta-comissária da ONU para os direitos humanos.

Michelle Bachelet acrescentou que a data também é comemorada em meio a uma era de “tremendo ativismo”, principalmente por parte de jovens.

Bachelet descreveu a emergência climática como a mais profunda ameaça aos direitos humanos globalmente desde a Segunda Guerra Mundial. Coloca diversos direitos sob risco, incluindo o direito a vida, saúde, alimentação, água, abrigo, desenvolvimento e autodeterminação.

“Devemos ser gratos aos milhões de crianças, adolescentes e jovens que estão se manifestando mais e mais alto sobre a crise enfrentada por nosso planeta”, disse Bachelet em seu comunicado para o dia.

“Corretamente, esses jovens estão enfatizando que é seu próprio futuro que está em risco, e o futuro de todos aqueles que ainda não nasceram. São eles que vão enfrentar as consequências de ações, da falta de ação, das gerações mais velhas que atualmente comandam governos e empresas, os tomadores de decisão do qual depende o futuro de países, regiões e planeta.”

A educação apoia os direitos humanos

A chefe de direitos humanos enfatizou que os jovens devem ser ouvidos, uma opinião também compartilhada por outra voz importante da ONU.

O engajamento ativo da juventude é fundamental para alcançar sociedades inclusivas e estáveis, de acordo com Tijjani Muhammad-Bande, presidente da Assembleia Geral da ONU.

“Temos que utilizar o idealismo da juventude e capacitá-los a defender direitos iguais e tratamento justo para todos em todos os lugares”, disse ele. “Precisamos garantir que os jovens tenham o direito de participar da tomada de decisões e que suas vozes sejam ouvidas.”

Muhammad-Bande disse acreditar que proporcionar aos jovens acesso a educação inclusiva de qualidade é uma maneira de garantir que eles conheçam seus direitos e, portanto, tenham poder.

O Dia dos Direitos Humanos também marca outra observância anual da ONU: o fim de 16 dias de ativismo contra a violência de gênero, e ele elogiou as contribuições de mulheres ativistas em todo o mundo por sua dedicação à defesa dos direitos humanos coletivos.