No Conselho de Segurança, chefe da ONU pede cooperação para fim dos conflitos no Oriente Médio

“Iraque, Líbia, Síria e Iêmen são preocupação comum e sua solução é nossa responsabilidade compartilhada”, disse Ban Ki-moon.

Muitos iraquianos fugiram do grupo terrorista e se refugiram na região do Curdistão. Foto: OCHA / Iason Athanasiadis

Muitos iraquianos fugiram da violência extremista e se refugiram na região do Curdistão. Foto: OCHA / Iason Athanasiadis

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, destacou no Conselho de Segurança da ONU que conflitos no Oriente Médio são responsabilidade de todos, chamando Estados-membros a unirem forças para colocar estas regiões no caminho de paz. A reunião aconteceu nesta quarta-feira (30) e foi liderada pelo ministro russo de Relações Exteriores, Sergey Lavrov, que está na presidência do Conselho durante o mês de setembro.

“Iraque, Líbia, Síria e Iêmen são preocupação comum, e sua solução é nossa responsabilidade compartilhada”, disse Ban Ki-moon no Conselho de Segurança da ONU. Para ele, a situação na Síria tem demonstrado ser a mais “espinhosa”, com a geração de sucessivos perigos como uso de armas químicas, aparecimento do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIL) e provocando a pior crise de refugiados e deslocados internos no mundo, com 8 milhões de pessoas vivendo longe de suas casas dentro do país.

“Combater o terrorismo não é o suficiente; nós precisamos prevenir o extremismo violento, tomando cuidado para não dar passos que só reproduzem o ressentimento e alienação, o que alimenta o extremismo violento”, afirmou representante da ONU.

Ban Ki-moon pediu para que o Conselho apoie os esforços de seu enviado especial, Staffan de Mistura, para promover uma transição política baseada no Comunicado de Genebra, que propõe um roteiro para a transição democrática e forma a base para acordo pacífico.