No Canadá, ONU promove fórum sobre alimentação escolar e nutrição infantil

Teve início no domingo (17), no Canadá, o XIX Fórum Global de Nutrição Infantil, evento organizado pelo Centro de Excelência contra a Fome das Nações Unidas. Até a próxima quinta-feira (21), especialistas e gestores estarão reunidos em Montreal para discutir o papel da alimentação escolar no crescimento econômico sustentável. Cerca de 300 participantes de 50 países participam do encontro.

Alimentação escolar melhora nutrição e educação de jovens. Foto: PMA

Alimentação escolar melhora nutrição e educação de jovens. Foto: PMA

Teve início no domingo (17), no Canadá, o XIX Fórum Global de Nutrição Infantil, evento organizado pelo Centro de Excelência contra a Fome das Nações Unidas. Até a próxima quinta-feira (21), especialistas e gestores estarão reunidos em Montreal para discutir o papel da alimentação escolar no crescimento econômico sustentável. Cerca de 300 participantes de 50 países participam do encontro.

O fornecimento de refeições em centros de ensino é o tema central da edição de 2017 do Fórum. Palestras e debates terão como foco o engajamento das comunidades locais, nacionais, regionais e globais — que podem usar a alimentação escolar como ferramenta na busca pelo desenvolvimento social. O evento é promovido pelo organismo da ONU e seus parceiros — a Global Child Nutrition Foundation e o Breakfast Club Canada.

Segundo o Centro de Excelência contra a Fome, a alimentação escolar é uma estratégia cientificamente reconhecida e eficaz para promover a saúde, a nutrição e a educação dos jovens. O organismo lembra, porém, que existem diferentes métodos para a execução de programas que visam levar comida para estudantes em seus colégios.

Em países em desenvolvimento, as compras de alimentos para instituições de ensino podem ser associadas às cadeias de produção locais, fortalecendo a agricultura familiar e contribuindo para a redução da fome e da miséria em zonas rurais. Em nações mais ricas, a alimentação escolar tem sido usada para combater a obesidade e o sobrepeso — e também para melhorar a nutrição das crianças pobres e vulneráveis.

O Brasil é um dos poucos países onde a alimentação escolar é universal. Qualquer criança que frequente uma escola pública recebe refeições equilibradas, além de orientações sobre como se alimentar de forma saudável. O Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) beneficia 43 milhões de crianças.

No Canadá, país-sede do Fórum de 2017, uma em cada cinco crianças corre o risco de começar um dia letivo sem ter tomado café da manhã. Entre alguns grupos, como comunidades indígenas, a taxa sobre para uma em cada duas.