Necessidades humanitárias na Síria nunca foram tão grandes, alerta ONU em conferência global

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

“As necessidades de ajuda humanitária e a proteção dos civis sírios nunca foram tão grandes, e o apelo humanitário a uma única crise é o maior jamais visto”, disse António Guterres na conferência de Bruxelas que discute, nessa semana, apoio ao futuro da Síria e da região.

Mais de 13 milhões de sírios precisam de ajuda humanitária dentro do país, com outros 5 milhões tendo atravessado a fronteira para buscar proteção.

Secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres. Foto: ONU/Manuel Elias

Secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres. Foto: ONU/Manuel Elias

Durante conferência internacional realizada em Bruxelas sobre a Síria, o secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu à comunidade internacional que aumente o apoio às vítimas do conflito no país devastado pela guerra, bem como apoio aos países vizinhos que abrigam milhões de refugiados. O conflito entra, em 2017, em seu sétimo ano.

“As necessidades de ajuda humanitária e a proteção dos civis sírios nunca foram tão grandes, e o apelo humanitário a uma única crise é o maior jamais visto”, disse Guterres na Conferência de Bruxelas sobre o Apoio ao Futuro da Síria e da Região.

“As agências da ONU e parceiros estão determinados a alcançar todos os que necessitam, por todos os meios possíveis”, acrescentou.

A conferência começou na terça-feira (4) e segue até essa quarta (5), com sessões temáticas sobre necessidades humanitárias e desafios no país. O encontro também discutirá formas efetivas de fortalecer a resiliência de refugiados e comunidades de acolhimento no contexto da crise.

Área danificada no campo de Yarmouk, na capital da Síria, Damasco. Nesse campo vivem palestinos severamente afetados pelo conflito. Foto: UNRWA

Área danificada no campo de Yarmouk, na capital da Síria, Damasco. Nesse campo vivem palestinos severamente afetados pelo conflito. Foto: UNRWA

Os participantes da conferência global também avaliarão o estado de implementação dos compromissos assumidos durante a conferência de Londres, no ano passado, e identificará apoio adicional para sírios dentro do país e nos países vizinhos, bem como para suas comunidades de acolhimento.

Em seu sétimo ano, o conflito na Síria continua sendo o maior desafio humanitário do mundo. No total, são 13,5 milhões de homens, mulheres e crianças dentro da Síria que necessitam de assistência urgente e imediata.

Existem agora mais de 5 milhões de refugiados sírios que vivem no Egito, Iraque, Jordânia, Líbano e Turquia, e muitos outros fizeram a perigosa viagem para a Europa e para além dela.

Na terça-feira (4), a Agência das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) alertou que apenas 9% do orçamento de 4,63 bilhões de dólares, solicitado para sírios fugindo da guerra, foi financiado. Em participação na Conferência de Bruxelas, dirigente criticou lentidão de Estados-membros para liberar verbas.

Até o momento, o plano anual de assistência a refugiados vivendo na região em torno da Síria recebeu somente 433 milhões de dólares.

“A situação está ficando desesperadora. Reconhecemos e parabenizamos as doações feitas até agora. Mas a verdade é que o financiamento não está de acordo com as necessidades”, destacou o alto-comissário das Nações Unidas para Refugiados, Filippo Grandi, sublinhando que os recursos são vitais para os refugiados e as comunidades de acolhimento da região.


Mais notícias de:

Comente

comentários