Navi Pillay: Oriente Médio e Norte da África serão desafios para direitos humanos por muitos anos

Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos destaca violações na Síria, mas pede atenção também para Egito, Iêmen, Líbia e Tunísia. Apelo é por reforço na agência: “Precisamos nos tornar maiores, melhores, mais rápidos e mais fortes.”

Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Navi Pillay, afirmou que Oriente Médio e o Norte da África continuarão sendo os maiores desafios para o respeito aos direitos humanosO Oriente Médio e o Norte da África ainda representarão os maiores desafios para os direitos humanos “por muitos anos“, avalia a Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Navi Pillay, ao destacar a necessidade de se fazer mais para acabar com o conflito na Síria.

“A situação na Síria é simplesmente terrível”, disse Pillay na quinta-feira (18) em Genebra, na Suíça. “Sem fim à vista, e sem soluções de alcance fácil, estamos em perigo de nos acostumarmos com os horrores que os civis  estão sofrendo no dia a dia. Mas não podemos simplesmente dar de ombros e as costas.”

Para a Alta Comissária, a situação no país pode virar um conflito entre várias facções enquanto a comunidade internacional permanece dividida sobre como acabar com os confrontos que já mataram 20 mil pessoas desde março de 2011. Pelo menos 2,5 milhões precisam de ajuda humanitária.

Pillay ressaltou que muito trabalho também deve ser feito no Egito, Iêmen, Líbia e Tunísia – países em transição democrática depois de longos anos de regimes ditatoriais. A situação no Afeganistão também requer contínuo monitoramento – nos próximos anos, as forças estrangeiras serão retiradas e a responsabilidade pela segurança será passada ao governo.

Já na Coreia do Norte, são preocupantes o uso de campos de prisioneiros e as frequentes execuções.  A Alta Comissária ainda pediu atenção para as regiões de Jammu e Caxemira, na Índia, onde 2.730 corpos foram encontrados mortos em 2011 por causa de disputas territoriais.

Pillay pediu mais recursos para o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), que celebra seu 20° aniversário no ano que vem. “O sistema de direitos humanos da ONU está em um momento crucial de sua história. Os direitos humanos são amplos e abrangentes, e, infelizmente, ainda tão comumente violados, que claramente precisamos nos tornar maiores, melhores, mais rápidos e mais fortes.”