Natal: Apenas mais um dia para os que lutam contra o ebola na África Ocidental, diz funcionário da ONU

Os mais recentes dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) informam que 19.431 pessoas foram afetadas pelo ebola, incluindo 7.565 mortes.

O diretor de programas do Programa Mundial de Alimentos (PMA) na Libéria, o britânico Chris Huddart, que atua em resposta ao surto do ebola. Foto: PMA/Donaig Le Du

O diretor de programas do Programa Mundial de Alimentos (PMA) na Libéria, o britânico Chris Huddart, que atua em resposta ao surto do ebola. Foto: PMA/Donaig Le Du

“O Natal será como qualquer outro dia de trabalho”, disse o diretor de programas do Programa Mundial de Alimentos (PMA) na Libéria, o britânico Chris Huddart, que atua junto com outros milhares de trabalhadores humanitários em resposta ao surto do vírus ebola na África Ocidental.

Segundo ele, este ano não há sinais de festejos natalinos nas comunidades na região, pois o surto do ebola afetou muitas pessoas – não apenas os que morreram ou perderam membros da família, mas também a equipe médica e de trabalhadores da ONU que estão trabalhando dia e noite em unidades de tratamento para conter o surto.

“Embora eu não ache que o ebola irá desaparecer do dia pra noite, eu espero pará-lo para que deixe de ser uma crise humanitária”, disse Huddart, ao expressar o seu desejo neste Natal.

Os mais recentes dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) informam que 19.431 pessoas foram afetadas pelo ebola, incluindo 7.565 mortes.