Nanotecnologia, impressão 3D e robótica estimulam crescimento econômico, destaca ONU

Poucos países acumulam 75% das patentes nestas tecnologias. Segundo relatório da Organização Mundial da Propriedade Intelectual, investimentos em pesquisa e mercado competitivo colaboram para inovações tecnológicas.

Equipe de robótica da Bahia representou o Nordeste em Mundial de robótica na Holanda. Foto: GOVBA/Raul Golinelli

Equipe de robótica da Bahia representou o Nordeste em Mundial de robótica na Holanda. Foto: GOVBA/Raul Golinelli

O Japão e os Estados Unidos se encontram na vanguarda do desenvolvimento de inovações como a impressão 3D, a nanotecnologia e a robótica – três tecnologias com potencial de impulsionar o crescimento econômico, segundo novo relatório publicado pela Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI).

Em meio ao tímido crescimento econômico mundial, o “Relatório 2015 de Propriedade Intelectual Mundial: Inovação e Crescimento Econômico” mostra como avanços totalmente inovadores, como aviões, antibióticos e os semicondutores, estimularam uma nova atividade nos negócios. Comparado a estas invenções, no entanto, o relatório destaca o importante papel das universidades no desenvolvimento de novas soluções tecnológicas, de onde surgiram cerca de 25% das patentes mundiais.

De acordo com o documento, Japão, Estados Unidos, Alemanha, França, Inglaterra e a Coreia do Sul acumulam 75% das patentes nas áreas de impressão 3D, nanotecnologia e robótica. Somente a China, país de renda média, está se aproximando ao grupo, somando mais de um quarto das patentes mundiais na área de 3D e robótica. Na área de nanotecnologia, o país apresenta 15% das patentes do mundo.

O relatório também cita fórmulas de sucesso para o bom desempenho de certos países, como investimentos do governo em pesquisas científicas; mercado competitivo que estimula as empresas a inovarem, e relação fluida entre os atores públicos e privados de inovação.