Nadadora síria ajuda a resgatar refugiados no Mediterrâneo

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Sarah Mardini, irmã da nadadora Yusra que competiu nos Jogos Olímpicos Rio 2016, vive como refugiada na Alemanha, mas atualmente trabalha como voluntária em Lesbos, resgatando outros refugiados que, como ela, se aventuram pelo Mediterrâneo em busca de segurança no continente europeu.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A bordo de um barco de resgate no mar Egeu, a salva-vidas Sarah Mardini observa o horizonte à procura de botes transportando refugiados vindos da Turquia. Em agosto de 2015, ela e Yusra, sua irmã mais nova, fizeram a mesma rota perigosa rumo a Lesbos para fugir da guerra na Síria, sua terra natal.

Nadadoras de elite treinadas, elas cativaram as pessoas ao redor do mundo. Primeiramente, quando salvaram seus 18 companheiros de viagem após uma falha no motor do barco que os levava para o continente europeu. Depois, quando Yusra, de 18 anos, fez história ao competir nas Olimpíadas de 2016 como integrante da primeira equipe olímpica de atletas refugiados.

No outono, Sarah, de 21 anos, voltou para Lesbos para atuar como salva-vidas voluntária no Centro de Resposta Internacional Europeu (ERCI), uma organização humanitária grega sem fins lucrativos que ajuda deslocados forçados que correm perigo quando tentam chegar à ilha.

Ela trabalha em uma equipe de quatro pessoas: socorrista, capitão, médico e tradutor. Na água, Sarah é frequentemente a que acalma os refugiados, muitos dos quais não sabem nadar.

“Eu converso com eles. Eu lhes digo: ‘Eu sei o que vocês sentem porque eu passei por isso. Eu vivi e eu sobrevivi”, diz. “E eles se sentem melhor porque eu sou uma refugiada como eles.”

De acordo com a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), 2016 foi o ano mais letal para os refugiados e migrantes que atravessaram o mar Mediterrâneo. Mais de 5 mil vidas foram perdidas, principalmente na rota do Mediterrâneo Central.

O ERCI trabalha com a Guarda Costeira Grega e com a Agência Frontex para resgatar pessoas que chegam às águas da nação europeia. Neste ano, a Grécia recebeu mais de 172,8 mil refugiados e migrantes. No ano passado, foram quase 857 mil. Algumas dezenas continuam chegando a Lesbos todas as semanas.

Sarah e Yusra cresceram em Damasco, onde aprenderam a nadar antes mesmo de saberem andar. Treinadas pelo pai, um treinador profissional de natação, elas competiram pela Síria e pelo mundo árabe como membros da equipe nacional e dos times de clubes que frequentavam.

Com o agravamento da guerra, a família teve que se mudar de casa em casa para buscar segurança. A residência onde as irmãs passaram a infância foi destruída. No verão passado, a família decidiu mandar Sarah e Yusra para a Turquia e, depois, para a Europa. Elas deixaram a Síria acompanhadas de dois parentes.

“Eles não tinham medo da travessia”, diz Sarah. “Nem mesmo na noite em que estiveram na costa turca, quando 20 pessoas tentaram se amontoar em um barco inflável construído para no máximo oito pessoas”, lembra.

Os problemas começaram logo após a partida. O motor falhou, deixando o barco à deriva e em vias de ser inundado pela água. Sarah estava determinada a não deixar ninguém se afogar. Ela mergulhou com Yusra e as duas ficaram na água por três horas e meia, nadando e empurrando a embarcação até a costa. Todos a bordo se salvaram.

“Se eu estivesse sozinha ou se ela (Yusra) estivesse sozinha, não teríamos conseguido. Fizemos isso porque estávamos juntas”, afirma a jovem. Sarah lembra que, ao chegar à costa, todos lhes agradeciam. Ela diz ter respondido: “Nós somos nadadoras, eu sou uma salva-vidas. Este é o nosso trabalho. É natural que façamos isso”.

Apesar de terem escapado com vida, os perigos daquela noite permanecem na memória de Sarah, que descreve o episódio como surreal. “Mesmo agora, quando conto minha história, ainda não acredito”, diz. “Não parece que aconteceu comigo. Eu sinto que não é real, mesmo depois de um ano. Parece um filme.”

Elas demoraram 25 dias para chegar à Alemanha, em uma jornada a pé, de trem e de ônibus. Em Berlim, uma instituição de caridade as encaminhou para o clube de natação Wasserfreunde Spandau 04, e a jornada de Yusra rumo aos Jogos Olímpicos de 2016 teve início.

Sarah parou de nadar em competições devido a uma antiga lesão no ombro que se agravou na noite em que atravessaram o mar. Seus pais e a irmã mais nova chegaram a Berlim poucos meses depois, por meio de um programa de reagrupamento familiar.

A mais velha das irmãs Mardini planejava visitar Lesbos no dia 18 de agosto, data em que a chegada dela à ilha completaria um ano. No entanto, a dupla estava no Rio de Janeiro, onde Sarah aplaudia Yusra na piscina da Rio 2016.

Na mesma época, Sarah recebeu uma mensagem por Facebook de Erik Gerhardsson, voluntário sueco do ERCI. “Ele dizia o quanto fomos uma inspiração para eles, como nossa história era incrível e como as crianças refugiadas na ilha falavam de nós como se fôssemos heroínas”, diz.

“Então eu disse ‘Estou indo’, e ele perguntou, ‘O quê? Você está vindo? Você está louca? ’, e eu respondi, ‘Sim, eu estou indo’”, conta. Algumas semanas depois, ela se apresentava para seu primeiro turno no ERCI, ao lado de uma equipe de 20 voluntários do mundo inteiro.

“Sarah é uma verdadeira heroína”, diz o fundador do ERCI, Panos Moraitis. “Depois de arriscar sua própria vida para salvar 18 pessoas a bordo do barco no qual ela estava tentando alcançar a Grécia, não só ela voltou à estaca zero, como está aqui para garantir que mais vidas não se perderão nesta jornada perigosa.”

A rotina como voluntária de um organização de resgate traz lembranças da noite do náufrago e também de seu país de origem. “Eu estava pensando comigo mesma: ‘Por que nós, sírios, terminamos assim?'”, indaga. “Nós [ERCI] estávamos prontos para ajudar e eu os observava. Foi muito doloroso ver meu povo assim”.

Ela espera que sua história ajude a mudar o modo como os refugiados são percebidos. A jovem espera voltar à universidade no próximo outono para estudar direitos humanos, seu campo de estudo na Síria. Seu sonho é começar sua própria organização não governamental. De si mesma, ela diz: “Eu sou apenas uma pessoa normal que tenta ajudar quem precisa”.


Mais notícias de:

Comente

comentários