Nações Unidas comemoram 70 anos da primeira reunião do ‘parlamento de todos os povos’

O primeiro encontro da Assembleia Geral da ONU reuniu 51 nações em Londres, na Inglaterra, em 10 de janeiro de 1946. Em evento para marcar as sete décadas de sua existência, Ban Ki-moon pede continuação do espírito de cooperação entre todos os povos.

Delegados se reúnem na Assembleia Geral. Foto: ONU / Rick Bajornas

Delegados se reúnem na Assembleia Geral. Foto: ONU / Rick Bajornas

“O verdadeiro parlamento de todos os povos”. Com esta declaração, o chefe da ONU, Ban Ki-moon comemorou nesta segunda-feira (11) o 70º aniversário da primeira reunião celebrada pela Assembleia Geral das Nações Unidas.

“As resoluções adotadas pela Assembleia Geral nem sempre foram adotadas imediatamente. No entanto, elas representam a posição comum sobre os problemas mais prementes dos nossos tempos”, disse Ban aos participantes da comemoração. “Estas resoluções contam a história da nossa determinação. Elas refletem nossa convicção de que os países do mundo, juntos, podem fazer muito mais coletivamente do que qualquer um sozinho”, adicionou.

Para Ban, a adoção de vários compromissos universais em 2015 – como o acordo do clima de Paris e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, mostram que o espírito de cooperação mundial. Neste sentido, pediu aos membros que trabalhem mais a favor do fim da pobreza, fome, discriminação e injustiça, em vez de construir mais barreiras que dificultem alcançar este fim.

Há 70 anos, 51 nações se reuniram pela primeira vez no dia 10 de janeiro de 1946 no Westminster Central Hall, em Londres, na Inglaterra, estabelecendo o primeiro encontro da Assembleia Geral da ONU.

Mogens Lykketoft, o atual presidente da Assembleia Geral, que também completou 70 anos no sábado (09), chamou a atenção em seu discurso para vários aspectos deste primeiro encontro. Entre eles, a ausência de mulheres entre os representantes permanentes. Uma questão que permanece relevante até os dias de hoje, quando apenas 18% da representação permanente é composta de mulheres, frisou o presidente.

O presidente, no entanto, sublinhou o esforço comum das nações. Após um período de guerras, destruição, genocídio e bombas nucleares, o mundo escolheu um “caminho genuíno para alcançar a paz global, a segurança, a justiça, os direitos humanos e os avanços sociais”, disse.

Para ele, a Assembleia Geral permitiu a criação de um “espaço único e verdadeiro”, em que todos os povos podem ser escutados. Hoje, as Nações Unidas contam com 193 membros, representando 99,5% da população, transformando a Assembleia Geral no espaço “mais representativo e deliberativo” do mundo.