Na Rússia, Annan diz ter esperança de acordo do Conselho de Segurança da ONU sobre crise na Síria

Enviado Especial das Nações Unidas e da Liga dos Países Árabes para a Síria reúne-se com o presidente Vladimir Putin em busca de solução. Mandato da UNSMIS acaba esta semana.

Em visita a Moscou, Rússia, o Enviado Especial Conjunto das Nações Unidas e da Liga dos Países Árabes para a Síria, Kofi Annan, declarou hoje (17) ter esperança de que os membros do Conselho de Segurança da ONU cheguem a um acordo sobre as medidas para lidar com a crise síria.

“Faço votos que Conselho continue suas discussões e esperançosamente encontre uma linguagem que una todos nós para que avancemos nessa questão crítica”, disse Annan depois de uma reunião com o presidente russo Vladimir Putin.

“Precisamos fazer tudo que podemos para acabar com a violência, com a matança, e o Conselho, espero, enviará uma mensagem de que as mortes devem cessar e de que a situação é inaceitável”, acrescentou o Enviado.

O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, conversou na segunda-feira (16) por telefone com o Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov. Ba pediu que o país use sua influência para assegurar a total e imediata implementação do plano de paz apresentado por Annan e das resoluções 2042 e 2043 do Conselho de Segurança.

As resoluções incluem o estabelecimento da Missão das Nações Unidas de Supervisão na Síria (UNSMIS) , que recentemente suspendeu suas patrulhas de observadores por causa da escalada da violência. O mandato de três meses da UNSMIS acaba em 20 de julho e a expectativa é que o Conselho se reúna antes disso para decidir o futuro da missão.

A ONU estima que mais de 10 mil, a maioria civis, foram mortas na Síria e dezenas de milhares obrigadas a deixar suas casas desde o início, há 16 meses, do levante contra o Presidente Bashar al-Assad.