Na Paraíba, maratona reúne 180 programadores para criação de tecnologias sobre transparência na vida pública

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Em João Pessoa, cerca de 180 programadores, desenvolvedores de softwares, designers e profissionais das áreas de Direito e Administração participaram no último final de semana do Hackfest de Combate à Corrupção. Evento dividiu público em 17 equipes que, ao longo de 48 horas, ficaram responsáveis por criar ferramentas tecnológicas para aumentar a transparência dos gastos públicos. Iniciativa teve apoio do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

As equipes das dez soluções tecnológicas selecionadas terão um mês para aprimorar as iniciativas e concorrerem aos prêmios finais. Foto: MPPB

As equipes das dez soluções tecnológicas selecionadas terão um mês para aprimorar as iniciativas e concorrerem aos prêmios finais. Foto: MPPB

Em João Pessoa, cerca de 180 programadores, desenvolvedores de softwares, designers e profissionais das áreas de Direito e Administração participaram no último final de semana do Hackfest de Combate à Corrupção. Evento dividiu público em 17 equipes que, ao longo de 48 horas, ficaram responsáveis por criar ferramentas tecnológicas para aumentar a transparência dos gastos públicos. Iniciativa teve apoio do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Dez equipes foram selecionadas como finalistas dos desafios. Elas terão um mês para aprimorar os projetos e participarem, em 18 de agosto, da segunda etapa do Hackfest, quando ocorrerão a entrega dos prêmios e a divulgação dos melhores softwares.

“O Hackfest representa um começo e vem ao encontro de uma nova sociedade de conhecimento, onde a tecnologia é um instrumento. É importante que o cidadão use essa tecnologia para colaborar, participar e ter uma maior visão de tudo que ocorre na sua cidade, no seu estado e no seu país”, disse o promotor de justiça Octávio Gondim Paulo Neto, um dos idealizadores do evento. A maratona de tecnologia é promovida pelo Ministério Público da Paraíba.

Para a analista de mobilização do PNUD, Inalda Beder, “o Hackfest demonstra na prática como a Agenda 2030 da ONU pode ser implementada com uso da tecnologia, envolvendo diversos atores e com resultados efetivos”

Os times vencedores receberão medalha de ouro, prata e bronze. Quem ficar na primeira colocação receberá um prêmio de 10 mil reais. As equipes com medalha de prata terão cada uma a premiação de 6 mil reais, e as com medalha de bronze receberão 3 mil reais.

Os prêmios em dinheiro serão pagos por meio de convênio estabelecido entre a Controladoria Geral da União (CGU) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), devendo ser divididos igualmente entre os integrantes das equipes e entregues conforme cronograma do evento.

“Não tem ferramenta maior para combater a corrupção do que a transparência e informações para a sociedade interessada e preparada para avaliar e cobrar posturas corretas dos gestores. O Hackfest representa a oportunidade de consolidar, cada vez mais, esse entendimento e elaborar novas ferramentas para aumentar o controle social do gasto público e da qualidade dos serviços públicos, ao mesmo tempo em que engaja a juventude nessa tarefa”, acrescentou a oficial de programa do PNUD, Ieva Lazareviciute.

Confira abaixo a lista dos selecionados na primeira etapa do Hackfest:

  • Quebra-Câmara-Quebra-Senado: análise dos salários dos deputados federais, senadores e demais servidores do Congresso Nacional. Integrantes: Fagner Lima, Jesus Mercado, Leandro Balby, Tatiana, Ítalo e Gil.
  • Soufiscal: aplicativo para denunciar e acompanhar irregularidades em obras públicas. Integrantes: Francisco Porfírio, Delcécio Pereira, Djones Santos, Carlos Henrique e Antônio Jeremias.
  • Meudeputado.com: traçar o perfil dos deputados federais de acordo com suas atuações na Câmara. Integrante: Víctor Ximenis, Matteus Silva, Cássio Cabral, Jefferson Lima e Ithanyê Heloísa.
  • Geração Limpa: aplicativo lúdico para educar crianças sobre cidadania. Integrantes: Michele, Danileny, Róbson e Ícaro.
  • Minha Cidade: analisar gastos do município de João Pessoa na área de saúde. Integrantes: Kevin Fernandes, Josué Bernadino, Victor Lima, Elcius Júnior, Abraão Honório e Marcos Silva.
  • Vidinha de Balada: avaliar gastos dos deputados federais e comparar com a sua atuação na Câmara. Integrantes: Talita Lobo, Hélder Ronyer, Letícia Wanderley, Marta Michelly, Jeferson Neves, Ítalo Medeiros, Arthur Lustosa e Gibran Yasser.
  • PaCiente: aplicativo para relatar qualidade dos serviços nos postos de saúde, em particular, a atividade dos médicos, infraestrutura, procedimentos e tempo de espera em fila. Integrantes: Amanda Guedes, Manuella Dantas, Rubem Ribeiro, Yasser Nascimento, Marcelo Trajano, Fábio Dantas e Leonardo Câmara.
  • Folha Limpa: navegador de irregularidades (acúmulo de cargos, supersalários etc.) na folha de pagamento do estado da Paraíba. Integrantes: Bonifácio, Gleidson, Ítalo, Rafael, Rodrigo e Yuri.
  • BoBot: robô (Bot) no Facebook para registrar ocorrências policiais. Integrantes: Jose Ardiles, Felipe Martins, Elieber, Francisco Neto, Henrique e Glaydson.
  • Caça-Fantasmas: aplicativo para identificar empresas fantasmas. Integrantes: Vanessa Marques, Emanuel Mesquita, Maurício Lira, Paulo Yamaha, Hebert Diniz, Jackson Terceiro e Alan Roque.

Mais notícias de:

Comente

comentários