Na Nigéria, vice-secretária-geral da ONU afirma que é preciso investir nas mulheres

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

A vice-secretária-geral da ONU, Amina Mohammed, disse que sem um maior investimento nas mulheres não será possível cumprir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, os ODS, parte da Agenda 2030. Ela visitou a Nigéria e a República Democrática do Congo com outros representantes da ONU e da União Africana; vídeo.

A vice-secretária-geral da ONU, Amina Mohammed, disse nesse mês (20) que sem um maior investimento nas mulheres não será possível cumprir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, os ODS, parte da Agenda 2030.

Ela destacou que, da economia até a estabilidade e a paz, não se conseguirá alcançar as metas investindo apenas em metade da população. A vice-chefe da ONU ressaltou ainda que é preciso dinamizar o desenvolvimento ouvindo e ampliando mensagens sobre as mulheres para envolver o grupo na tomada de decisões.

A representante da ONU visitou a capital nigeriana, Abuja, onde liderou uma delegação que esteve na Nigéria. Ela também visitou a República Democrática do Congo, acompanhada por outros representantes das Nações Unidas e da União Africana.

Amina encerrou na quinta (27) sua viagem ressaltando a importância da participação feminina em processos de paz, segurança e desenvolvimento.

Reverter as tragédias da violência, principalmente contra mulheres e crianças, e garantir que as vozes de meninas e mulheres sejam ouvidas em todos os aspectos da sociedade. Esses foram os principais objetivos da missão de alto-nível para a África, em uma parceria entre as Nações Unidas e da União Africana.

Ela explicou que o objetivo de levar lideranças femininas às discussões e o comprometimento com suas causas é “mudar a narrativa de vítimas para sobreviventes, alcançando as aspirações da Agenda 2030”.

“A paz é o alicerce – a base – que nos permite desenvolver nosso completo potencial, mas também garante que os direitos humanos sejam respeitados. Aqui nós vemos como os direitos das mulheres, que são também direitos humanos, não são respeitados e ainda temos um longo caminho a seguir”, disse Amina durante uma coletiva de imprensa.

Na República Democrática do Congo, ela se encontrou com o vice-primeiro-ministro, Léonard She Okitundu.

Amina elogiou os esforços do governo para combater a violência sexual de gênero, observando que a presença de mulheres no comando foi, provavelmente, a razão para o progresso.

O itinerário do último dia da viagem da vice-secretária-geral incluiu uma visita ao campo de Mugunga, que abriga deslocados internos, nos arredores de Goma, capital da província de Kivu do Norte, no leste da República Democrática do Congo.

Amina se mostrou firmemente decidida a garantir que as mulheres deslocadas retornem às suas casas “com dignidade e humanidade, o que não é um favor e, sim, um direito”. Ela prometeu embarcar em uma iniciativa que financia melhores instalações para as mulheres no retorno a seus países de origem.

A missão teve início no dia 18 de julho, com uma visita à Nigéria. Amina foi acompanhada da diretora-executiva da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka, bem como da representante especial das Nações Unidas para Violência Sexual em Conflito, Pramila Patten, e a enviada especial da União Africana sobre Mulheres, Paz e Segurança, Bineta Diop.

A viagem da delegação da ONU e da União Africana é a primeira parte de uma missão focada na participação significativa de mulheres nos processos de paz, segurança e desenvolvimento. Uma missão similar irá a dois outros países ainda este ano.


Mais notícias de:

Comente

comentários