Na COP18, Ban Ki-moon pede ações conjuntas para enfrentar as mudanças climáticas

Secretário-Geral da ONU afirmou que ninguém está imune à mudança climática e expressou a importância de um prolongamento do Protocolo de Kyoto.

Ban Ki-moon quer ações conjuntas para enfrentar as mudanças climáticas.

Na 18 ª Conferência das Partes (COP18) da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança Climática (UNFCCC), em Doha no Catar, o Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu ações conjuntas de todos para enfrentas a crise crescente das mudanças climáticas. “Ninguém é imune à mudança climática, nem ricos nem pobres. É um desafio existencial para toda a raça humana, o nosso modo de vida, nossos planos para o futuro. (…) Nós, coletivamente, somos o problema. Então, devemos ter as soluções. Se agirmos em conjunto com o propósito claro, podemos enfrentar este desafio”, disse o Secretário-Geral.

A conferência dura até a próxima sexta-feira (7) e as delegações presentes tentarão, entre outros objetivos, estender o Protocolo de Kyoto, cujo primeiro período de compromisso expira no final de 2012. “O Protocolo de Kyoto continua o mais próximo que temos de um acordo global climático vinculante. Ele deve continuar. É uma fundação para se construir. Sua continuação em 1º de Janeiro de 2013  irá mostrar que os governos continuam comprometidos com um regime climático mais forte.”

Ban espera que os governos demonstrem, sem ambiguidade, que as negociações de um instrumento global e vinculante para enfrentar as mudanças climáticas continuam ativas, além de mostrar como pretendem agir sobre a distância entre as promessas de mitigação e o que é necessário para se alcançar o objetivo de manter a média de aquecimento global abaixo dos dois graus Celcius. O aumento da temperatura para além do estabelecido pode causar sérios impactos climáticos.

A COP-18 reúne os 195 Estados da UNFCCC, convenção firmada na Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio-92), em 1992 no Rio de Janeiro, Brasil, e que originou mais tarde o Protocolo de Kyoto, em 1997. O protocolo estabelece que 37 Estados estabeleçam limitações de emissões juridicamente vinculativas e compromissos de redução.