Na China, chefe da ONU pede globalização mais justa e ação contra mudança climática

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

O mundo precisa agir para disseminar os benefícios da globalização de forma mais justa, enquanto evita os perigos do protecionismo, disse o chefe das Nações Unidas na quarta-feira (11) durante visita à China.

“(A globalização) trouxe muitos benefícios — a integração das economias mundiais, a expansão do comércio, importantes avanços nas comunicações e na tecnologia”, disse. “Mas muitas pessoas foram deixadas para trás”, completou, lembrando que a “desigualdade é sistêmica e crescente”.

“Mas uma coisa precisa estar bem clara: não tornaremos a globalização mais justa pelo isolamento, protecionismo ou exclusão”, disse. “Problemas globais precisam de soluções multilaterais globais”.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, em discurso na abertura do Fórum Boao para a Ásia, ocorrido na província de Hainan, no sul da China. Foto: ONU China/Zhao Yun

O secretário-geral da ONU, António Guterres, em discurso na abertura do Fórum Boao para a Ásia, ocorrido na província de Hainan, no sul da China. Foto: ONU China/Zhao Yun

O mundo precisa agir para disseminar os benefícios da globalização de forma mais justa, enquanto evita os perigos do protecionismo, disse o chefe das Nações Unidas na quarta-feira (11) durante visita à China.

“Estou profundamente convencido de que a globalização é irreversível”, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, em fórum na Ásia que reuniu políticos, empresários e líderes da sociedade civil na cidade de Boao, sul do país.

“(A globalização) trouxe muitos benefícios — a integração das economias mundiais, a expansão do comércio, importantes avanços nas comunicações e na tecnologia”, disse. “Mas muitas pessoas foram deixadas para trás”, completou, lembrando que a “desigualdade é sistêmica e crescente”.

“Nosso destino precisa ser uma globalização justa que não deixe ninguém para trás como um caminho para a paz e o desenvolvimento sustentável”, disse Guterres no Fórum Boao para a Ásia, que ocorre anualmente.

“Mas uma coisa precisa estar bem clara: não tornaremos a globalização mais justa pelo isolamento, protecionismo ou exclusão”, disse. “Problemas globais precisam de soluções multilaterais globais”.

Guterres fez o apelo em meio a novas disputas comerciais, com os Estados Unidos planejando impor novas tarifas a certos produtos da China e de outros países.

O secretário-geral da ONU também fez um chamado urgente para que o mundo enfrente a crescente ameaçada das mudanças climáticas que, segundo ele, intensificarão outros problemas globais como pobreza, crises humanitárias e conflito.

O Acordo de Paris para o clima, adotado pelos líderes mundiais em 2015, estabeleceu o objetivo de manter a elevação da temperatura global abaixo dos 2 graus Celsius.

“Mas, sejamos claros: as mudanças climáticas estão se movendo mais rapidamente do que nós”, disse Guterres, pedindo que os líderes mundiais ajam para reduzir as emissões de CO2. Ele elogiou a liderança chinesa no tema, citando suas ambiciosas metas de energias renováveis.

As Nações Unidas, disse Guterres, estabeleceram o caminho para um mundo mais próspero, igualitário e ambientalmente sustentável com sua Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

“Com seus 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), a Agenda 2030 é nosso caminho para paz, prosperidade e parcerias pelas pessoas e pelo planeta”, declarou.


Comente

comentários