Mundo precisa se comprometer com ordem baseada em regras, diz chefe da ONU à Assembleia Geral

Em um mundo em que a confiança — nas instituições nacionais, entre Estados e na ordem global baseada em regras — está em ruptura, o secretário-geral da ONU, António Guterres, preparou nesta terça-feira (25) o terreno para o 73º debate geral das Nações Unidas com um apelo para reconstruir a solidariedade, reparar a confiança e revigorar o espírito do multilateralismo.

“Como guardiões do bem comum, também temos o dever de promover e apoiar um sistema multilateral reformado, revigorado e fortalecido”, disse o secretário-geral da ONU, dirigindo-se ao encontro anual dos líderes mundiais na sede das Nações Unidas nesta terça-feira.

“Precisamos de compromisso com uma ordem baseada em regras, com as Nações Unidas em seu centro e com as diferentes instituições e tratados que trazem a Carta à vida. Não há nenhum caminho a seguir, a não ser pela ação coletiva de consenso para o bem comum.”

Secretário-geral da ONU, António Guterres, apresenta seu relatório anual sobre o trabalho da Organização antes da abertura dos debates gerais da Assembleia Geral. Foto: ONU/Cia Pak

Secretário-geral da ONU, António Guterres, apresenta seu relatório anual sobre o trabalho da Organização antes da abertura dos debates gerais da Assembleia Geral. Foto: ONU/Cia Pak

Em um mundo em que a confiança — nas instituições nacionais, entre Estados e na ordem global baseada em regras — está em ruptura, o secretário-geral da ONU, António Guterres, preparou nesta terça-feira (25) o terreno para o 73º debate geral das Nações Unidas com um apelo para reconstruir a solidariedade, reparar a confiança e revigorar o espírito do multilateralismo.

“Como guardiões do bem comum, também temos o dever de promover e apoiar um sistema multilateral reformado, revigorado e fortalecido”, disse o secretário-geral da ONU, dirigindo-se ao encontro anual dos líderes mundiais na sede das Nações Unidas nesta terça-feira.

“Precisamos de compromisso com uma ordem baseada em regras, com as Nações Unidas em seu centro e com as diferentes instituições e tratados que trazem a Carta à vida. Não há nenhum caminho a seguir, a não ser pela ação coletiva de consenso para o bem comum.”

A mensagem anual de abertura de Guterres, extraída de seu relatório anual sobre o trabalho da Organização, também destacou os persistentes desafios enfrentados pelo povo e pelo planeta, incluindo os aparentemente intermináveis ​​conflitos na Síria e no Iêmen, o sofrimento do povo rohingya e a ameaça do terrorismo, a não proliferação e o uso de armas químicas.

Ele também chamou a atenção para o aumento da desigualdade e da “discriminação e demagogia” enfrentadas por migrantes e refugiados, no contexto de cooperação internacional claramente insuficiente.

“É nosso dever comum reverter essas tendências e resolver esses desafios. Precisamos avançar com base nos fatos, não no medo — na razão, não na ilusão. A prevenção deve estar no centro de tudo o que fazemos”, enfatizou Guterres.

“Esta sessão da Assembleia Geral é uma oportunidade real para o progresso.”


Comente

comentários