Mundo corre risco de voltar à recessão e Brasil seria um dos emergentes mais afetados, indica ONU

Informações são do relatório “Situação Econômica Global e Perspectivas para 2012” do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas.


O relatório “Situação Econômica Global e Perspectivas para 2012” do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas (DESA) divulgado na quinta-feira (01/12) afirma: o mundo corre risco de cair novamente em recessão caso os países desenvolvidos adotem medidas de austeridade fiscal. Segundo o documento, o Brasil poderá ser uma das principais nações emergentes afetadas pela desaceleração econômica mundial.

Quatro fatores foram destacados como responsáveis pela crise econômica: risco da dívida soberana; frágil setor bancário; fraca demanda agregada associada a medidas de austeridade fiscal e alto desemprego; além da paralisia política causada pelo impasse político.

A previsão para o crescimento econômico mundial do ano que vem é de 2,6% e, para 2012, 3,2%. No entanto, isso só acontecerá se a crise da dívida da Zona do Euro for contida e as medidas de austeridade forem controladas.

A crise pode chegar aos países subdesenvolvidos. A expectativa brasileira de crescimento é de 2,7%, após taxas de 7,5% e 3,7% em 2010 e 2011, respectivamente. Outro país com baixo crescimento será o México. A China deve desacelerar para taxas abaixo de 9% em 2012 e 2013.

O relatório prevê a necessidade de criar 64 milhões de empregos para restaurar os níveis do período anterior a crise e para absorver  jovens ao mercado de trabalho. Outras medidas a serem tomadas são a necessidade de estímulo fiscal, reformas regulatórias do setor financeiro, aumento de recursos para redes de segurança financeira e medidas para evitar uma segunda rodada de crises de hipotecas.

Para conferir o relatório completo, clique aqui.