Mulheres ainda têm dificuldades para encontrar emprego e subir na carreira

As oportunidades de emprego para mulheres melhoraram pouco desde o início dos anos 1990, disseram especialistas trabalhistas da ONU na quinta-feira (7), alertando que as trabalhadoras ainda são penalizadas por ter filhos e cuidar deles.

“Uma série de fatores está bloqueando a igualdade no emprego, e o que desempenha o maior papel é o cuidado”, disse Manuela Tomei, diretora do Departamento de Condições de Trabalho e Igualdade da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

“Nos últimos 20 anos, a quantidade de tempo que as mulheres gastaram com cuidados não remunerados e trabalho doméstico quase não diminuiu”, disse ela, enquanto a participação dos homens aumentou “em apenas oito minutos por dia”. Nesse ritmo de mudança, serão necessários mais de 200 anos para alcançar a igualdade no tempo gasto em trabalho de cuidado não remunerado.

OIT alertou que desigualdades de gênero afetam a inserção das mulheres no mercado de trabalho. Foto: Agência Brasil

OIT alertou que desigualdades de gênero afetam a inserção das mulheres no mercado de trabalho. Foto: Agência Brasil

As oportunidades de emprego para mulheres melhoraram pouco desde o início dos anos 1990, disseram especialistas trabalhistas da ONU na quinta-feira (7), alertando que as trabalhadoras ainda são penalizadas por ter filhos e cuidar deles.

Lançado na véspera do Dia Internacional das Mulheres, lembrado em 8 de março, o relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) constatou que 1,3 bilhão de mulheres trabalhavam em 2018, em comparação com 2 bilhões de homens – uma melhora de menos de 2% nos últimos 27 anos.

As preocupações sobre o “teto de vidro” no que se refere à falta de mobilidade ascendente no trabalho também persistem, já que menos de um terço dos cargos de gerência das empresas é ocupado por mulheres.

“As mulheres ainda estão sub-representadas no topo, uma situação que mudou muito pouco nos últimos 30 anos”, disse o relatório da OIT.

“Isso ocorre apesar do fato de elas terem mais educação formal que seus pares masculinos. A educação não é a principal razão para taxas de emprego mais baixas e salários mais baixos das mulheres, mas sim que as mulheres não recebem os mesmos dividendos da educação que os homens.”

De acordo com as conclusões da OIT, a remuneração das mulheres é 20% menor do que a dos homens, como uma média global.

Essa discrepância está ligada a uma “penalidade salarial por maternidade”, que contrasta com o fato de que os pais desfrutam de um “prêmio salarial”.

De maneira preocupante, entre 2005 e 2015, houve também um aumento de 38% no número de mulheres trabalhadoras que não tiveram filhos pequenos, em comparação com as que tiveram.

Isso ocorre apesar das conclusões de um relatório global de OIT-Gallup de 2017, segundo o qual 70% das mulheres preferem trabalhar em vez de ficar em casa – algo com o que os homens concordam em grande parte, observou a organização.

“Uma série de fatores está bloqueando a igualdade no emprego, e o que desempenha o maior papel é o cuidado”, disse Manuela Tomei, diretora do Departamento de Condições de Trabalho e Igualdade da OIT.

“Nos últimos 20 anos, a quantidade de tempo que as mulheres gastaram com cuidados não remunerados e trabalho doméstico quase não diminuiu”, disse ela, enquanto a participação dos homens aumentou “em apenas oito minutos por dia”. Nesse ritmo de mudança, serão necessários mais de 200 anos para alcançar a igualdade no tempo gasto em trabalho de cuidado não remunerado.

Mulheres recorrem a empregos informais

Em 2018, de acordo com o relatório, as mulheres eram mais propensas a trabalhar em ocupações de baixa qualificação e a enfrentar condições de emprego piores do que os homens.

As mulheres também estão “mais expostas” a empregos informais sem proteção social em mais de 90% dos países subsaarianos, em 89% dos Estados do sul da Ásia e em quase 75% dos países latino-americanos.

“As mulheres também são frequentemente vistas em ocupações mais vulneráveis, como domésticas, trabalhadoras do lar ou contribuindo para o trabalho familiar”, observou o relatório da OIT.

Em termos de soluções que podem ajudar a criar um futuro melhor de trabalho para as mulheres, o relatório pediu um “salto quântico” de escolhas políticas transformadoras.

Isso inclui a criação ou a revisão de leis para estabelecer direitos iguais para todos os sexos no mundo do trabalho e a revogação da proibição de mulheres ingressarem em determinadas profissões ou de trabalhar à noite ou no subsolo.

Esforços também são necessários para criar “tempo para cuidar”, enfatizou o relatório da OIT, explicando que “maior tempo de soberania é necessário para permitir que as trabalhadoras exerçam mais escolhas e controle sobre suas horas de trabalho”.

Aquelas com famílias se beneficiariam particularmente, explicou o relatório. Quando os homens dividem o trabalho não remunerado de cuidados de forma mais igualitária, “mais mulheres são vistas em cargos gerenciais”.


Comente

comentários