Missão de Paz da ONU no Haiti tem ‘tonalidade diferente’, avalia general brasileiro

Engenharia militar desempenha papel importante na reconstrução do país atingido por terremoto em 2010. Além de operações de segurança, soldados promovem ações socioculturais.

Militares brasileiros perfuram poços no Haiti. Foto: ONU/BRAENGCOY

Militares brasileiros perfuram poços no Haiti. Foto: ONU/BRAENGCOY

Atual comandante da Força de Paz da ONU no Haiti, o general brasileiro Edson Leal Pujol afirma que a missão tem “tonalidade diferente” das realizadas na África e na América Central, proporcionando aprendizados para o Brasil.

Na área de segurança, as atividades são muito parecidas com “as operações de garantia da lei e da ordem que é uma das missões realizadas pelo Exército brasileiro no Brasil”, explica. Isso envolve, por exemplo, controle de distúrbios e outras medidas assumidas pelas Forças Armadas em apoio à segurança pública quando as polícias não têm condições de atuar.

O general também vê como vantagem a atuação de militares da engenharia na Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (MINUSTAH).

“Estamos tendo uma participação muito grande da engenharia brasileira na tentativa de melhorar as condições de infraestrutura do país e também de restabelecer uma situação de normalidade pós-terremoto”, diz Leal Pujol.

O Brasil mantém no Haiti a única usina de brita, cascalho e asfalto que apoia todas as atividades da Força de Paz. Também atua na reparação de vias, limpeza de valas, perfuração de poços e recolhimento de escombros.

Militares também apoiam ações socioculturais

Os brasileiros também promovem atividades sociais e culturais para apoiar as comunidades. Somente nos quatro primeiros meses de 2013, os militares distribuíram para a população mais de 2 milhões de litros de água tratada nas bases; 2 mil kits de material escolar com cadernos, livros, caneta, lápis e borracha; além de mobiliário escolar.

Soldados apoiam ações sociais. Foto: UNIC Rio/Damaris Giuliana

Soldados apoiam ações sociais. Foto: UNIC Rio/Damaris Giuliana

Palestras sobre higiene pessoal, prevenção do câncer de mama e de doenças sexualmente transmissíveis, aleitamento materno e sobre o papel da mulher na sociedade haitiana beneficiaram cerca de 3 mil pessoas.

Mais de 6 mil haitianos participaram de sessões de cinema ao ar livre, muitos deles tendo acesso a este recurso pela primeira vez.

O conjunto de ações desempenhadas pelos militares brasileiros tem colaborado para a redução da violência em áreas bastante vulneráveis do Haiti.

De acordo com o general, a melhoria na situação de segurança possibilitou, em abril, que o Brasil retirasse do país um de seus batalhões. “Um dos objetivos agora estabelecidos é o fortalecimento da Polícia Nacional do Haiti. O aumento do seu efetivo, o aumento da sua especialização, o aumento e melhoria do seu equipamento.”

_____________________
Esta matéria faz parte de uma série de reportagens especiais, incluindo um vídeo, para o Dia Internacional dos Trabalhadores das Forças de Paz, lembrado a cada ano em 29 de maio. Confira todas as reportagens em www.onu.org.br/29demaio e o vídeo abaixo.

http://youtu.be/p4hySeGq_ZY