Missão em Darfur pede cautela após tensão em campo de deslocados

Durante o último fim de semana, o campo para pessoas deslocadas foi palco de vários incidentes que resultaram em diversas mortes.

Um grupo de mulheres e crianças no campo de Kalma para deslocados internos, no sul de Darfur. Foto: UNAMID/Albert González Farran

Um grupo de mulheres e crianças no campo de Kalma para deslocados internos, no sul de Darfur. Foto: UNAMID/Albert González Farran

Preocupados com a escalada de tensões, a Missão da União Africana e das Nações Unidas em Darfur (UNAMID), no Sudão, pediu nesta segunda-feira (8) máxima contenção de todas as partes dentro e em volta do campo de Kalma. Durante o último fim de semana o local, destinado para pessoas deslocadas internamente (IDPs), foi palco de vários incidentes que resultaram em diversas mortes.

“A missão continua a engajar os líderes dos IDPs e as autoridades governamentais de todas as esferas, com o objetivo de evitar mais violência, cujo único propósito é minar o atual esforço sudanês e internacional para identificar soluções pacíficas para o conflito em Darfur”, disse o comunicado de imprensa da Missão.

O primeiro incidente aconteceu na quinta-feira (4), quando um grupo de cem deslocados internos protestaram em frente a um Centro Comunitário Policial da UNAMID. Os problemas ocorreram depois que alguns policiais passaram de carro pelas estradas que dividem os setores do campo. Alguns manifestantes apedrejaram o Centro, deixando um membro da Força de Paz ferido e avarias na instalação.

Novos protestos foram realizados na manhã seguinte em frente ao Centro e alguns IDPs cavaram uma trincheira para prevenir o acesso ao campo. Em outra ocasião, durante o protesto de 400 pessoas contra o governo em um mercado local, disparos foram realizados e um número ainda não confirmado de manifestantes foram mortos.

A UNAMID pediu aos IDPs que respeitem a lei e evitem envolver-se em atividades criminosas que possam prejudicar a possibilidade de alcançar a paz em Darfur.

A ONU estima que cerca de 385 mil pessoas foram deslocadas pelo conflito entre o governo do Sudão e movimentos armados em Darfur desde o começo de 2014. A Organização pediu a todas as partes repetidamente para que participem das negociações destinadas a alcançar um cessar-fogo permanente e a paz abrangente para o povo de Darfur, que tem sofrido com o conflito desde 2003.