Missão da ONU transfere 28 mil deslocados no Sudão do Sul para acampamentos mais seguros

A UNMISS protege mais de 100 mil civis dentro de suas instalações e áreas adjacentes em todo o país. A ação visa a melhorar as condições de vida dos civis que foram expulsos de suas residências.

Distribuição de alimentos para deslocados internos no Sudão do Sul. Foto: ONU/JC McIlwaine

Distribuição de alimentos para deslocados internos no Sudão do Sul. Foto: ONU/JC McIlwaine

A Missão da ONU no Sudão do Sul (UNMISS) abriu, nesta semana, novos acampamentos para cerca de 28 mil deslocados internos que vivem em suas bases e áreas adjacentes nas cidades de Juba, Malakal e Bor. A ação visa a melhorar as condições de vida dos civis que foram expulsos de suas residências pelo recente conflito no país. 

Mais de 11 mil deslocados serão transferidos da base de Tomping, em Juba, para a nova área próxima à sede da Missão. Na base de Malakal, cerca de 14 mil deslocados já se mudaram para um novo acampamento, que está se expandindo para acomodar mais 4 mil pessoas. Já em Bor, o novo campo foi concluído para abrigar 3 mil pessoas.

No geral, a UNMISS está protegendo mais de 100 mil civis em suas bases em todo o país. Porém, segundo a Missão da ONU, mesmo melhorando as condições de vida, os acampamentos ainda permanecem “improvisados, temporários e não representam um bom lugar para se viver”. 

“Quando abrimos nossas portas para os deslocados, nós esperávamos que fosse uma solução temporária. No entanto, a situação se prolongou e estamos buscando soluções para torná-la mais suportável”, disse o chefe do Escritório da ONU para Coordenação Residente de Socorro, Reintegração e Proteção, Derk Segaar, nesta quarta-feira (22).

Na ocasião, a Missão alertou também sobre a situação crítica em Bentiu, onde os campos dos deslocados foram inundados pelas fortes chuvas esta semana. No momento, as agências da ONU estão drenando a água por meio de bombas e escavadeiras para aliviar as condições de vida “inaceitáveis”​​ da maior parte da população local.

Além disso, a UNMISS acrescentou que está trabalhando com seus parceiros em um plano, para ser executado nas estações secas, para melhorar as condições dos 50 mil deslocados abrigados na base da ONU de Bentiu.