Missão da ONU na República Centro-Africana recebe nova denúncia de abuso sexual

O porta-voz das Nações Unidas disse na quarta-feira (11) que a Missão da ONU na República Centro-Africana (MINUSCA) recebeu nova denúncia de abuso sexual de um menor que teria sido cometido por soldados das forças de paz em Bambari.

O Escritório de Serviços de Supervisão Interna da ONU realizou uma verificação das informações e evidências para que a questão possa ser encaminhada ao Estado-membro para posterior investigação e tomada de ações.

Membros da Missão Integrada Multidimensional de Estabilização da ONU na República Centro-Africana (MINUSCA) em patrulha em Bambari. Foto: MINUSCA

Membros da Missão Integrada Multidimensional de Estabilização da ONU na República Centro-Africana (MINUSCA) em patrulha em Bambari. Foto: MINUSCA

O porta-voz das Nações Unidas disse na quarta-feira (11) que a Missão da ONU na República Centro-Africana (MINUSCA) recebeu nova denúncia de abuso sexual de um menor que teria sido cometido por soldados das forças de paz em Bambari.

“A suposta vítima foi imediatamente encaminhada aos nossos parceiros humanitários em terra para receber assistência médica e psicológica adequadas”, disse Stéphane Dujarric.

O Escritório de Serviços de Supervisão Interna da ONU realizou uma verificação das informações e evidências para que a questão possa ser encaminhada ao Estado-membro para posterior investigação e tomada de ações.

No mês passado, durante um evento de alto nível paralelo ao debate geral da Assembleia Geral, o secretário-geral da ONU, António Guterres, anunciou a nomeação de Jane Connors como a primeira defensora das Nações Unidas para o direito das vítimas de abusos cometidos por funcionários da Organização.

Segundo ele, Connors desenvolverá mecanismos e políticas sistêmicas de promoção de processos confiáveis e sensíveis a questões de gênero e do direito das crianças para que vítimas e testemunhas possam enviar denúncias.

O secretário-geral também anunciou a criação de um “Círculo de Liderança” para os chefes de Estado e de governo demonstrarem sua determinação e compromisso no mais alto nível político para erradicar a exploração e o abuso sexual.