Missão da ONU condena onda de ataques em rota de abastecimento na República Centro-Africana

PMA está fornecendo assistência vital a mais de 40 mil pessoas em Bambari, República Centro-Africana. Foto: PMA / Daouda Guirou

A Missão Integrada Multidimensional de Estabilização das Nações Unidas na República Centro-Africana (MINUSCA) condenou veementemente nesta segunda-feira (20) a série de ataques armados na Rodovia Principal de Suprimentos 1 (MSR1) que teriam sido cometidos por membros do grupo rebelde Frente Democrática do Povo Centro-Africano (FDPC), disse um comunicado de imprensa.

O último incidente ocorreu no fim de semana quando tiros foram disparados contra um comboio com suprimentos do Programa Mundial de Alimentos (PMA), escoltado por forças de paz da MINUSCA, no noroeste do país. O motorista morreu após ser baleado três vezes no peito e seu caminhão empurrado de lado, causando ferimentos graves a outros passageiros.

“Esta violência vai contra a atual dinâmica destinada à paz e à reconciliação nacional na sequência das conclusões e recomendações do Fórum de Bangui e do acordo assinado entre o governo e os grupos armados sobre a cessação das hostilidades e do desarmamento”, destacou a Missão.

Mais de dois anos de guerra civil e violência sectária têm deslocado milhares de pessoas na República Centro-Africana em meio a confrontos em curso entre a aliança Séléka – majoritariamente muçulmana – e a milícia anti-Balaka, que são, em sua maioria, cristãos. A ONU estima que cerca de 450 mil pessoas permaneçam deslocadas no interior do país enquanto milhares de outros procuraram asilo através das fronteiras.