Maranhão promove encontro de adolescentes para discutir políticas públicas sobre juventude

São Luís, no Maranhão, será sede do Primeiro Encontro Estadual de Adolescentes do Selo UNICEF da Amazônia Legal. O evento, que acontece em 9 e 10 de agosto, é parte de uma estratégia global do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) para engajar jovens na luta por direitos. Em torno de 78 adolescentes, de 39 municípios maranhenses, vão participar da iniciativa.

Jovens negros são as principais vítimas e estão em situação de maior vulnerabilidade à violência no Brasil. Foto: EBC

Foto: EBC

São Luís, no Maranhão, será sede do Primeiro Encontro Estadual de Adolescentes do Selo UNICEF da Amazônia Legal. O evento, que acontece em 9 e 10 de agosto, é parte de uma estratégia global do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) para engajar jovens na luta por direitos. Em torno de 78 adolescentes, de 39 municípios maranhenses, vão participar da iniciativa.

Durante os dois dias de debate, os convidados vão dialogar sobre temas como autoestima, autoproteção, empoderamento e políticas públicas para as crianças e adolescentes. Ao longo das discussões, os adolescentes vão ter o apoio de especialistas, educadores, assistentes sociais e também da equipe técnica do UNICEF na região amazônica.

A organização do evento buscou assegurar um equilíbrio de participação entre meninos e meninas, além de garantir a representatividade de povos quilombolas e indígenas. Os convidados para o encontro integram os Núcleos de Cidadania de Adolescentes (NUCAs) e os grupos Juventude Unida pela Vida na Amazônia (JUVAs).

A iniciativa faz parte das ações do Maranhão no marco do Selo UNICEF — um projeto da agência da ONU que chama municípios brasileiros do Semiárido e da Amazônia a impulsionar políticas públicas para crianças e adolescentes.

Criado em 1999, o Selo UNICEF visa acompanhar, auxiliar e reconhecer os esforços de gestores e servidores locais na garantia dos direitos dos jovens. Hoje, a iniciativa está presente em 1.924 municípios. Cada ciclo do Selo UNICEF dura quatro anos, coincidindo com a gestão das prefeituras.

Na edição 2017-2020 do Selo, o projeto exige que, em cada município participante, seja criado o NUCA ou o JUVA, com um mínimo de 16 meninas e meninos, entre 12 e 17 anos de idade. É tarefa desse grupo discutir temas relevantes para o desenvolvimento municipal e para a proteção dos direitos da juventude. Os participantes também ficam responsáveis por implementar ações junto com organizações locais e com a gestão pública municipal. Entre os temas de discussão desses grupos, estão inclusão escolar e aprendizagem, direito ao esporte seguro e inclusivo, alimentação saudável e saúde sexual e reprodutiva.

Sem criar e ativar o seu NUCA ou JUVA, o município não poderá ganhar a certificação do Selo UNICEF.

Atualmente, na Amazônia Legal brasileira, 429 Núcleos Adolescentes já foram formalizados e mais de 5 mil meninos e meninas se mobilizam por meio desses grupos. No Maranhão, mais de 1,6 mil jovens com até 18 anos realizam atividades em 134 NUCAs ou JUVAs.

Para Eduardo Rodrigues, mobilizador de adolescentes de Pinheiro (MA), o encontro estadual será uma oportunidade de trocar experiências e reavaliar o desempenho do seu município na jornada do Selo UNICEF.

“Esse encontro não irá só fortalecer a busca pelo Selo UNICEF, mas também aprimorar essa classe tão desfavorecida da nossa sociedade, que é a juventude. Nós viemos acompanhando os grupos de jovens e tentando elevar os níveis de educação e cidadania. E participar do evento é trazer para nosso município uma certeza e uma clareza daquilo que nós estamos fazendo”, afirma o jovem.

Conheça todos os municípios do Maranhão que vão enviar jovens para o evento — clique aqui.

Depois da capital maranhense, o encontro estadual será realizado no Amazonas, nos dias 21 e 22 de agosto, e no Pará, em 28 e 29 de Agosto.


Comente

comentários