Mais Médicos ajuda Brasil a alcançar metas de saúde universal, avalia OPAS

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Em visita a São Paulo, a diretora adjunta da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Isabella Danel, elogiou o Mais Médicos, descrito como “um êxito” por ampliar o acesso à atenção primária. “O fortalecimento desse setor é primordial para a saúde universal”, defendeu a especialista durante ida ao Hospital Municipal Infantil Menino Jesus. Atualmente, o município conta com 262 profissionais do Mais Médicos. Desses, 78 são cubanos.

Mais Médicos aumentou número de pessoas atendidas e qualidade dos serviços de saúde. Imagem: OPAS

Mais Médicos aumentou número de pessoas atendidas e qualidade dos serviços de saúde. Imagem: OPAS

Em visita a São Paulo, a diretora adjunta da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Isabella Danel, elogiou o Mais Médicos, descrito como “um êxito” por ampliar o acesso à atenção primária. “O fortalecimento desse setor é primordial para a saúde universal”, defendeu a especialista durante ida ao Hospital Municipal Infantil Menino Jesus. Dirigente conheceu parceria entre o programa e a capital paulista.

Atualmente, o município conta com 262 profissionais do Mais Médicos. Desses, 78 são cubanos que vieram para o Brasil por meio da cooperação entre o país e a OPAS. “Havendo mais acesso à atenção primária, há, por exemplo, menos internações hospitalares e mais eficiência no gasto dos recursos”, acrescentou Isabella. Segundo a dirigente, o Mais Médicos tem contribuído para que a nação sul-americana alcance suas metas de saúde universal.

Durante a visita ao centro de atendimento, a OPAS apresentou o Sistema Integrado de Informação Mais Médicos (SIMM), um aplicativo que está sendo desenvolvido para coletar e sistematizar estatísticas sobre o programa. A ferramenta também visa aprimorar a gestão e o controle administrativo e financeiro do projeto.

De acordo com o coordenador do Programa Mais Médicos na OPAS, Carlos Rosales, a agência das Nações Unidas precisou criar diferentes sistemas de informação, utilizados no processo de acolhimento e alocação de profissionais cubanos. “Eles eram complementares, mas muitas vezes não se comunicavam. Por isso, iniciamos esse processo de gerar um sistema integrado de informações atualizadas para gestão do Mais Médicos”, explicou.

O aplicativo, que estará disponível para gestores de saúde, médicos do programa e o público em geral, foi desenvolvido em parceria com o Campus Virtual de Saúde Pública (CVSP) e funcionará em três idiomas: português, espanhol e inglês.

Informação

Em São Paulo, Isabella conheceu também as novas instalações do Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde (BIREME). A instituição completa 50 anos em 2017. A dirigente elogiou o trabalho do organismo, dedicado à divulgação de pesquisas e estatísticas sobre saúde pública.

“Informação é ouro. Vocês são como os mineiros desse ouro. Para alcançarmos as metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, precisamos acelerar o acesso ao conhecimento. Informação de qualidade é essencial”, enfatizou.

Entre as iniciativas em que o escritório da OPAS no Brasil e a BIREME são parceiras, estão a Plataforma de Conhecimentos do Programa Mais Médicos, a Rede de Nutrição do Sistema Único de Saúde (RedeNutri) e várias outras.

Recentemente, o Centro lançou a “Minha BVS”, uma biblioteca virtual que pode ser personalizada para armazenar documentos, buscar temas de interesse, organizar links preferidos, encontrar publicações, entre outras possibilidades, conforme a necessidade do usuário.

“Se a evidência cientifica é produzida em nível global, seu uso é sempre local. Temos uma riqueza de experiências incríveis na América Latina e Caribe que ninguém conhece. Por isso, estamos fazendo um grande esforço para compartilhar todo esse conhecimento entre os países”, afirmou o diretor da BIREME, Diego González.

“É uma instituição que nos ajuda a desenvolver diversas linhas de cooperação, que está envolvida em vários projetos e atividades de gestão da informação e de desenvolvimento científico e técnico”, acrescentou o representante da agência da ONU no Brasil, Joaquín Molina.


Mais notícias de:

Comente

comentários