Conflito na Ucrânia já matou 6 mil pessoas, diz novo relatório da ONU

“Todos os aspectos da vida das pessoas estão sendo afetados negativamente, e a situação é cada vez mais insustentável para os habitantes locais, especialmente em áreas controladas pelos grupos armados”, disse o alto comissário para os Direitos Humanos da ONU.

Destruição em Mykolaivka, na região de Donetsk, na Ucrânia. Foto: PMA/Abeer Etefa

Destruição em Mykolaivka, na região de Donetsk, na Ucrânia. Foto: PMA/Abeer Etefa

O escritório de direitos humanos da ONU confirmou, nesta segunda-feira (02), que o número de mortos nos conflitos na Ucrânia já é superior a seis mil. De acordo com o último relatório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), o aumento nas mortes no país do leste Europeu tem continuado, apesar de cessar-fogo sucessivos, especialmente perto da aeroporto de Donetsk e na área ao redor da cidade de Debaltseve. Os confrontos resultaram em centenas de mortes, tanto de civis como de militares, e “uma situação insustentável” para aqueles presos nas áreas devastadas pelos conflitos.

“É imperativo que todas as partes cumpram as disposições dos acordos de Minsk e parem com o bombardeio indiscriminado e outras hostilidades que criaram uma situação terrível para os civis – em violação flagrante do direito internacional humanitário, dos direitos humanos e do direito internacional”, disse o alto comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Zeid Ra’ad Al Hussein.

“Todos os aspectos da vida das pessoas estão sendo afetados negativamente, e a situação é cada vez mais insustentável para os habitantes locais, especialmente em áreas controladas pelos grupos armados”, explicou Zeid. “Muitas foram presos em zonas de conflito, obrigadas a se abrigar em porões, com pouca água potável, comida, aquecimento, eletricidade ou suprimentos médicos básicos.”