Mais de 392 mil crianças nasceram em todo o mundo no Dia de Ano Novo

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) estima que 392.078 bebês tenham nascido em todo o mundo no Dia de Ano Novo.

“O início de um novo ano é uma oportunidade para refletir sobre nossas esperanças e aspirações, não apenas pelo nosso futuro, mas também pelo futuro daqueles que virão depois de nós”, disse a diretora-executiva do UNICEF, Henrietta Fore.

Mitieli Digitaki foi um dos primeiros bebês de 2020. Nascido em Suva, capital de Fiji, dez minutos depois da meia-noite, Mitieli chegou ao mundo com 2,9 kg e boa saúde. Foto: UNICEF

Mitieli Digitaki foi um dos primeiros bebês de 2020. Nascido em Suva, capital de Fiji, dez minutos depois da meia-noite, Mitieli chegou ao mundo com 2,9 kg e boa saúde. Foto: UNICEF

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) estima que 392.078 bebês tenham nascido em todo o mundo no Dia de Ano Novo.

“O início de um novo ano é uma oportunidade para refletir sobre nossas esperanças e aspirações, não apenas pelo nosso futuro, mas também pelo futuro daqueles que virão depois de nós”, disse a diretora-executiva do UNICEF, Henrietta Fore.

“À medida que o calendário muda todo mês de janeiro, somos lembrados de todas as possibilidades e potencialidades de cada criança embarcando na jornada de sua vida – se elas tiverem essa chance.”

Globalmente, estima-se que mais da metade desses nascimentos tenha ocorrido em oito países:

Índia— 67.385
China — 46.299
Nigéria — 26.039
Paquistão — 16.787
Indonésia — 13.020
Estados Unidos — 10.452
República Democrática do Congo — 10.247
Etiópia — 8.493
No Brasil, estima-se que tenham nascido 8.009 bebês no primeiro dia do ano.

Todo mês de janeiro, o UNICEF celebra bebês nascidos no Dia de Ano Novo, um dia auspicioso para o nascimento de crianças em todo o mundo. No entanto, para milhões de recém-nascidos, o dia do nascimento está longe de ser auspicioso.

Em 2018, 2,5 milhões de recém-nascidos morreram apenas no primeiro mês de vida; cerca de um terço deles, no primeiro dia de vida. Entre essas crianças, a maioria morreu de causas evitáveis, como parto prematuro, complicações durante o parto e infecções como sepse. Além disso, mais de 2,5 milhões de bebês nascem mortos a cada ano.

Nas últimas três décadas, o mundo viu um progresso notável na sobrevivência infantil, reduzindo em mais da metade o número de crianças em todo o mundo que morrem antes do quinto aniversário. Mas houve um progresso mais lento para os recém-nascidos. Os bebês que morreram no primeiro mês representaram 47% de todas as mortes entre crianças menores de 5 anos em 2018, contra 40% em 1990.

A campanha Every Child Alive do UNICEF pede investimento imediato em profissionais de saúde com o treinamento certo, equipados com os medicamentos certos para garantir que todas as mães e recém-nascidos sejam atendidos por um par de mãos seguras para prevenir e tratar complicações durante a gravidez, parto e nascimento.

“Muitas mães e recém-nascidos não estão sendo atendidos por uma parteira ou enfermeira treinada e equipada, e os resultados são devastadores”, disse Fore. “Podemos garantir que milhões de bebês sobrevivam ao primeiro dia e continuem vivos se cada um deles nascer por um par de mãos seguro”.

Para obter estimativas completas e não arredondadas de nascimentos para 190 países, clique aqui.

Para os dados, o UNICEF trabalhou com o World Data Lab. As estimativas para o número de bebês nascidos em 1º de janeiro de 2020 baseiam-se na revisão mais recente das UN’s World Population Prospects (2019). Com base nesses conjuntos de dados, o algoritmo do World Data Lab (WDL) projeta estimativas do número de nascimentos para cada dia por país.