Mais de 2,5 milhões de sul-sudaneses estão em situação crítica de fome, afirma PMA

Programa Mundial de Alimentos pede 92 milhões de dólares para auxiliar a população do novo país nos primeiros quatro meses de 2012.

A combinação de lavouras danificadas, conflitos e insegurança ameaça deixar mais de 2,5 milhões de sul-sudaneses em situação crítica de fome, incluindo 500 mil crianças, grávidas e mães lactantes. O Programa Mundial de Alimentos (PMA) pediu na quinta-feira (15/12) assistência de 92 milhões de dólares para os primeiros quatro meses de 2012.

“O preço dos alimentos já dobrou ou triplicou em algumas áreas, deixando centenas de milhares de crianças vulneráveis à desnutrição”, afirma o Diretor do PMA no Sudão do Sul, Chris Nikoi.

Nos últimos dias, chuvas irregulares foram responsáveis pela destruição de lavouras. O fechamento das fronteiras entre Sudão e Sudão do Sul está dificultando a troca de alimentos. Além disso, ainda há conflitos étnicos internos, presença de milícias e problemas de refugiados no Sudão do Sul.

Outro objetivo da assistência do PMA é ajudar comunidades e famílias a serem autossuficientes e produtivas em meio à infraestrutura deficiente combinada com problemas de insegurança e períodos de chuva a partir de março.