Mais de 200 mil sírios estão sitiados na cidade de Deir ez-Zor e estariam passando fome, alerta ONU

Confrontos na cidade dificultam a entrega de suprimentos para a população. Apesar das dificuldades em Deir ez-Zor, a ONU e parceiros conseguiram levar assistência a Zabadani e mais comboios chegaram a Madaya.

Agências da ONU, como o Programa Mundial de Alimentos (PMA), e parceiros conseguiram entregar assistência a sírios sitiados em Madaya na semana passada. Outras cidades permanecem sob cerco e desprovidas de recursos, como Deir ez-Zor. Foto: OCHA / Hussam Al Saleh

Agências da ONU, como o Programa Mundial de Alimentos (PMA), e parceiros conseguiram entregar assistência a sírios sitiados em Madaya na semana passada. Outras cidades permanecem sob cerco e desprovidas de recursos, como Deir ez-Zor. Foto: OCHA / Hussam Al Saleh

Nesta segunda-feira (18), as Nações Unidas expressaram preocupação quanto à situação de cerca de 200 mil pessoas que estão sob cerco na parte ocidental da cidade de Deir ez-Zor, na Síria. A ONU recebeu relatos de que moradores estariam morrendo de fome no local. Embora as agências da Organização tenham conseguido aprovação para realizar o transporte aéreo de suprimentos até a região, a operação foi interrompida em função de confrontos violentos nos arredores do aeroporto militar.

Depósitos do governo têm distribuído pão para a população de Deir ez-Zor, mas as provisões estão se esgotando devido ao limitado acesso humanitário e comercial. De acordo com a ONU, habitantes precisam, urgentemente, de alimentos e material médico. Em uma carta aberta à sociedade civil síria, o subsecretário-geral para Assuntos Humanitários e Coordenador de Emergências da ONU, Stephen O’Brien, disse estar “indignado e frustrado com a situação das áreas sitiadas na Síria e com o terrível impacto que ela está tendo sobre crianças, mulheres e homens”.

O dirigente afirmou que as Nações Unidas não mantém relações mais próxima a nenhuma parte específica do conflito sírio. “É nosso dever agir imparcialmente, de forma neutra e independente e ter contato com todas as partes do conflito para negociar o acesso desimpedido e seguro àqueles que estão vulneráveis e passando necessidade“, afirmou.

Apesar das dificuldades enfrentadas em Deir ez-Zor, a ONU, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha e o Crescente Vermelho Árabe Sírio conseguiram acesso a Zabadani nesta semana e estão levando alimentos, combustível e suprimentos de saúde à região. Equipes médicas e de nutrição já estão avaliando a situação do local. O novo comboio organizado pelas agências humanitárias será o terceiro a chegar a Madaya, e o primeiro a alcançar Zabadani, nesse mês.

No entanto, um novo carregamento a Foah e Kafraya e a equipe que avaliaria as condições nesses locais retornaram a Damasco após grupos armados de oposição afirmar que precisavam de mais tempo para finalizar as disposições de segurança.

Mais de 100 mil sírios receberam assistência recentemente nas áreas de Madaya, Bigin, Al-Waer, Foah e Kafraya.