Mais de 150 empresas se unem para pedir a líderes mundiais ações climáticas na retomada econômica

Foto: Pixabay

Um grupo de 155 empresas, que somam US$ 2,4 trilhões em valor de mercado, e representam mais de 5 milhões de funcionários, assinaram um comunicado pleiteando junto aos governos ao redor do mundo o alinhamento de seus esforços na recuperação econômica frente à crise instaurada pela COVID-19 aos estudos mais atuais em relação às ciências climáticas.

À medida que os debates sobre pacotes de recuperação em todo o mundo aumentam nas próximas semanas, as empresas, que fazem parte da iniciativa Science Based Targets, pedem políticas que aumentem a resistência a choques futuros, apoiando os esforços para manter o aumento da temperatura global até 1,5°C acima dos níveis pré-industriais, em linha com o alcance de emissões líquidas zero antes de 2050. No Brasil, as empresas que já participam da iniciativa são Movida, Grupo Malwee, AES Tietê, Lojas Renner, Natura, NELM Advogados e Baluarte.

Os participantes são convocados pela iniciativa Science Based Targets (SBTi), pelo Pacto Global da ONU e pela coalizão We Mean Business a participar da campanha “Business Ambition for 1,5 °C”. O SBTi –  que é uma colaboração entre o CDP, o Pacto Global da ONU, o World Resources Institute e WWF – avalia e valida independentemente as metas climáticas corporativas em relação às mais recentes ciências climáticas.

A declaração surge quando governos de todo o mundo estão destinando trilhões de dólares em pacotes de estímulo para ajudar as economias a se recuperarem dos impactos da pandemia de coronavírus e se preparando para enviar planos climáticos nacionais aprimorados sob o Acordo de Paris.

Nas próximas semanas, várias economias tomarão decisões importantes em seus esforços de recuperação, incluindo o Plano de Recuperação da União Europeia, novos pacotes de estímulo dos Estados Unidos e da Índia e a cúpula dos Chefes de Estado do G7, em junho.

Para o diretor-executivo da Rede Brasil do Pacto Global, Carlo Pereira, é muito importante não só pensar na retomada, mas também em como retomar. “Por isso, estamos trabalhando para engajar as empresas globalmente desde o começo das nossas ações. Agora, precisamos combinar as questões econômicas com uma mudança profunda de atitude em prol do futuro do planeta. O cenário já era problemático e não podemos piorá-lo”.

As 155 empresas já estabeleceram, ou se comprometeram a estabelecer, metas de redução de emissões baseadas na ciência. Ao assinar a declaração, eles reafirmam que suas próprias decisões e ações permanecem fundamentadas na ciência, enquanto pedem aos governos que “priorizem uma transição mais rápida e justa de uma economia cinza para uma economia verde”. Políticas e gastos que incorporem metas climáticas reduzirão a vulnerabilidade a futuros choques e desastres, criarão bons empregos, reduzirão as emissões e garantirão o ar limpo, segundo um estudo da Universidade de Oxford.

A chefe de programas do Pacto Global da ONU e membro do Conselho da iniciativa Science Based Targets, Lila Karbassi, disse que os governos têm um papel fundamental a desempenhar, alinhando políticas e planos de recuperação com a mais recente ciência climática, mas não podem conduzir apenas uma transformação socioeconômica sistêmica. “Para lidar com as crises interconectadas que enfrentamos, precisamos trabalhar juntos como uma comunidade internacional para entregar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e o Acordo de Paris”.

“O surto de coronavírus é uma forte lembrança da fragilidade do nosso sistema econômico atual. Também nos lembra que a ciência deve ser nosso guia coletivo no caminho para uma economia mais resiliente. Definir e trabalhar em direção a metas baseadas na ciência é a melhor maneira de empresas e governos se protegerem contra futuros negócios relacionados ao clima e interrupções econômicas”, explicou o CEO da CDP e um dos parceiros do SBTi, Paul Simpson.

Já a CEO da coalizão We Mean Business, Maria Mendiluce, afirmou: “Os governos podem ter certeza de que as empresas estão implementando metas baseadas na ciência para nos colocar em uma trajetória de 1,5 °C. Eles estão pedindo políticas de recuperação que impulsionem a economia e aumentem a resiliência. Uma recuperação líquida zero alinhada permitirá que as empresas invistam e inovem no ritmo e na escala necessários para recuperar melhor, criando empregos decentes, protegendo a saúde, reduzindo as emissões e aumentando a resiliência no futuro”.

“É imperativo que não apenas reiniciemos a economia mundial – mas também a redefinamos. Seria uma tragédia se, depois de gastar US$ 10-20 trilhões em dinheiro público, simplesmente reconstruíssemos a mesma economia desigual, vulnerável e de alto carbono que tínhamos antes”, disse o Presidente e CEO do World Resources Institute e membro do Conselho da SBTiDr, Andrew Steer. “Aplaudimos os líderes dessas 155 empresas, que não apenas se comprometem a redefinir suas próprias empresas, mas também exigem que os governos do mundo atuem à luz das melhores ciências e melhores economias, o que mostra que políticas inteligentes em termos de clima criarão mais empregos e estimular um crescimento econômico inclusivo e resiliente”.

Signatários

Além dos brasileiros Movida, Grupo Malwee, AES Tietê, Lojas Renner, Natura, Baluarte e Nelm Advogados, os signatários abrangem 34 setores, têm sede em 33 países e incluem: Abdi Ibrahim Pharmaceuticals, ACCIONA, Accor, Adobe, Agder Energi, Arabesque, Arc’teryx Equipment, AstraZeneca, Auchan Retail Portugal, Bayer, Beiersdorf, BIAL, Bonava, Burberry, Capgemini, Cargotec, Carlsberg Group, Cellnex, CEWE Stiftung & Co. KGaA, City Developments Limited, CMA CGM, Coca-Cola European Partners, Colgate Palmolive Company, Corbion, Cranswick, Dalberg Advisors, Dalmia Cement (Bharat) Limited, Danfoss Group, Diageo, Diam Group, dormakaba, Dutch-Bangla Pack, EcoVadis, EDF Group, EDP Energias de Portugal, Electrolux, En+ Group, Enel, ERM, Europcar Mobility Group, Ferrocarrils de la Generalitat de Catalunya, Firmenich, Gleeds, Glovo, Grundfos Holding, Grupo Red Eléctrica, H. Lundbeck, H&M Group, Henkel, Hewlett Packard Enterprise, Husqvarna Group, HP Inc., Iberdrola, ICA Gruppen, Inditex, Ingka Holding, Inter IKEA Group, Intuit, JLL, Kearney, Kelani Valley Plantations, Kuehne + Nagel Management, LafargeHolcim, Legrand, Lojas Renner, Maeda Corporation, Magyar Telekom, Mars, Marshalls, Marui Group, Media 6, MP Pension, Nestlé, Nomad Foods, Novartis, Novo Nordisk, NR Instant Produce Public Company, O. T. Sports Manufacture, Orange, Orbia Advance, Orkla, Ørsted, Pearson, PensionDanmark, Pernod Ricard, PVH Corp., Refinitiv, Ronald Lu & Partners, Royal DSM, RSE (Ross-shire Engineering), Safaricom, Saint-Gobain, Salesforce.com inc., Sanofi, Scania, Scapa Inter, Schneider Electric, Schüco International, SIG Combibloc, Signify, Sky, SkyPower Global, Sofidel, Sonae Sierra, Sopra Steria Group, Stora Enso Oyj, SUEZ, Symrise, Syngenta Group, Takasago International Corporation, Talawakelle Tea Estates, Tate & Lyle, Tech Mahindra, Telefonica, The Co-op, The Lux Collective, TMG Automotive, Unilever, Vattenfall, Vaude Sport, Verbund, Vestas Wind Systems, Vodafone Group, Wipro, Yarra Valley Water, YKK Corporation, e Zurich Insurance Group, entre outros.