Mais de 13 milhões de crianças não receberam nenhuma vacina antes mesmo da COVID-19

Mesmo antes da pandemia da COVID-19, a cada ano, a imunização contra o sarampo, a poliomielite e outras doenças estavam fora do alcance de 20 milhões de crianças com menos de 1 ano. Mais de 13 milhões de crianças com menos de 1 ano de idade em todo o mundo não receberam nenhuma vacina em 2018, muitas delas vivendo em países com sistemas de saúde fracos. Dadas as interrupções atuais, isso pode criar caminhos para surtos desastrosos em 2020 e nos próximos anos.

Para o chefe global do programa de imunização do UNICEF, Robin Nandy, o trabalho de fornecer vacinas às crianças é ainda mais vital à medida em que a COVID-19 continua a se espalhar globalmente.

Foto: Frank Dejongh/UNICEF

Enquanto o mundo espera desesperadamente por uma vacina para a COVID-19, a pandemia continua a se espalhar em todo o mundo. Milhões de crianças correm o risco de perder vacinas vitais contra sarampo, difteria e poliomielite devido a interrupções nos serviços de imunização. Na última contagem, a maioria dos países suspendeu as campanhas de poliomielite em massa e 25 países adiaram as campanhas de sarampo em massa, conforme orientação global.

Mesmo antes da pandemia da COVID-19, a cada ano, a imunização contra o sarampo, a poliomielite e outras doenças estavam fora do alcance de 20 milhões de crianças com menos de 1 ano. Mais de 13 milhões de crianças com menos de 1 ano de idade em todo o mundo não receberam nenhuma vacina em 2018, muitas delas vivendo em países com sistemas de saúde fracos. Dadas as interrupções atuais, isso pode criar caminhos para surtos desastrosos em 2020 e nos próximos anos.

Para o conselheiro principal e chefe global do programa de imunização do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Robin Nandy, à medida que a COVID-19 continua a se espalhar globalmente, o trabalho vital de fornecer vacinas às crianças é ainda mais fundamental. “Com as interrupções nos serviços de imunização devido à pandemia, os destinos de milhões de jovens estão pendurados”, comentou o chefe global de imunização do UNICEF.

Estima-se que 182 milhões de crianças tenham perdido a primeira dose da vacina contra o sarampo entre 2010 e 2018, de acordo com uma análise do UNICEF. Isso ocorre porque a cobertura global da primeira dose de sarampo é de apenas 86%, bem abaixo dos 95% necessários para evitar surtos de sarampo.

Um número cada vez maior de crianças não vacinadas levou a surtos alarmantes de sarampo em 2019, inclusive em países de alta renda como EUA, Reino Unido e França.

UNICEF

Entre os países de baixa renda, as lacunas na cobertura do sarampo antes da COVID-19 já eram alarmantes. Entre 2010 e 2018, a Etiópia teve o maior número de crianças menores de 1 ano que perderam a primeira dose de sarampo – quase 10,9 milhões. Seguiu-se a República Democrática do Congo (6,2 milhões), Afeganistão (3,8 milhões), Chade, Madagascar e Uganda, com cerca de 2,7 milhões cada.

Além do sarampo, as lacunas de imunização já eram bastante graves, de acordo com os novos perfis regionais desenvolvidos pelo UNICEF. Na África, mais crianças perderam vacinas nos últimos anos devido ao aumento do número de nascimentos e à estagnação nos serviços de imunização. Por exemplo, na África Ocidental e Central, a cobertura estagnou em 70% para o DTP3 – que é o mais baixo entre todas as regiões –, em 70% para a poliomielite e em 71% para o sarampo. Isso levou a repetidos surtos de sarampo e poliomielite em países como a República Democrática do Congo. Enquanto isso, no Sul da Ásia, estima-se que 3,2 milhões de crianças não receberam vacinas em 2018. Na África Oriental e Meridional, o número de crianças não vacinadas permaneceu quase o mesmo na última década, em torno de 2 milhões. Todas as regiões agora também estão enfrentando surtos da COVID-19.

O UNICEF está enviando suprimentos de vacinas para imunizar crianças, sempre que possível, em áreas com surtos, e reabastecer seus suprimentos de rotina. Na República Democrática do Congo, por exemplo, o UNICEF está apoiando o governo com suprimentos de vacinas e equipamentos de proteção para continuar as atividades de imunização na província de Kivu do Norte, onde mais de 3 mil casos de sarampo foram registrados desde 1º de janeiro. E em Uganda, o UNICEF adquiriu 3.842.000 doses de vacina bivalente à poliomielite oral (bOPV) para imunizar 900 mil crianças com menos de um 1 de idade. As crianças recebem três doses da vacina contra a poliomielite antes de comemorar seu primeiro aniversário.

À medida que o mundo corre para desenvolver e testar uma nova vacina para a COVID-19, o UNICEF e os parceiros da Iniciativa contra o Sarampo e Rubéola e a Gavi, a Vaccine Alliance, estão pedindo aos governos e doadores que:

Sustentem os serviços de imunização, mantendo os trabalhadores e as comunidades de saúde seguros;
Iniciem o planejamento para aumentar as vacinas para cada criança perdida quando a pandemia terminar;
Reabastecer completamente a Gavi, pois a aliança apoia programas de imunização no futuro;
Certifique-se de que, quando a vacina COVID-19 estiver disponível, ela atenda as pessoas mais necessitadas.

Segundo a CEO da Gavi, Vaccine Alliance, Seth Berkley, as crianças que estão perdendo vacinas agora não devem passar a vida inteira sem proteção contra doenças. “O legado da COVID-19 não deve incluir o ressurgimento global de outros assassinos como o sarampo e poliomielite”, alertou a CEO da Gavi.