Mais 200 sírios deixam parte sitiada de Homs e mil recebem alimentos para um mês, informa ONU

Pausa humanitária permitiu saída de 1350 mulheres, crianças e idosos que estavam isolados no centro histórico há quase dois anos. Pausa humanitária não autorizou retirada de homens entre 15 e 54 anos.

Refugiada síria. Foto: ACNUR/J. Eid

Mais ajuda humanitária foi entregue a moradores do centro histórico de Homs, área sitiada da Síria. Líderes comunitários receberam, nesta quarta-feira (12), alimentos em quantidade suficiente para mil pessoas por um mês e mais 200 sírios foram retirados da região, elevando para 1.350 o número de indivíduos que deixaram o local. Durante quase dois anos, o conflito fez com que 2,5 mil moradores da cidade antiga ficassem isolados, sem qualquer tipo de assistência.

A ajuda foi entregue por causa de uma “pausa humanitária”, um intervalo de três dias, prorrogado para seis, dado tanto pelas autoridades sírias quanto pelos rebeldes para que os cidadãos de Homs tivessem suas necessidades humanitárias atendidas.

O acordo autorizou somente mulheres, crianças e idosos a saírem da cidade. Homens entre 15 e 54 anos tiveram de permanecer no local. Porém, 336 deles foram detidos pelas autoridades sírias ao tentarem deixar Homs com o argumento de que não queriam abandonar suas famílias. Até agora, mais de 150 foram interrogados e liberados.

Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), parte das pessoas optou por ser encaminhada a um abrigo do governo e a maioria preferiu ir para casas de parentes.

Apesar da “pausa”, atiradores de elite atacaram funcionários da ONU e do Crescente Vermelho Árabe no domingo (9). Os tiros levaram à morte 11 civis e quase destruíram o carro do representante da ONU no país, com ele e colegas dentro.