Maioria das pessoas vivem em países que não ratificaram Convenções da OIT sobre liberdade sindical

Mais da metade da população do mundo vive em países que ainda não ratificaram as oito Convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT) sobre liberdade sindical e negociação coletiva. Esses países não ratificantes representam 10% dos membros da OIT.

Essa é a conclusão do novo relatório “Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho: do compromisso à ação” sobre a liberdade sindical e a negociação coletiva, o trabalho forçado, o trabalho infantil e a discriminação.

“O relatório analisa as complexidades da vida real do mundo do trabalho, busca identificar as mudanças e oportunidades centrais e, sobretudo, determinará o que deveria estar fazendo exatamente a OIT, junto a seus Estados membros e interlocutores sociais, para superá-los”, declarou Diretor Executivo do Setor de Normas e Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho da OIT, Guy Ryder.

O relatório destaca as circunstâncias dos trabalhadores da economia informal e de outras categorias que enfrentam dificuldaddes concretas no exercício de seus direitos.

Os dados revelados pela publicação serão discutidos na Conferência Internacional do Trabalho, que se realizará em Genebra de 30 de maio a 15 de junho. Este é o primeiro relatório sobre estes princípios fundamentais publicado no marcado da Declaração da OIT sobre a justiça social para uma globalização equitativa de 2008.

Para confirir o documento na íntegra em espanhol, clique aqui.