Luta contra a fome na América Latina e Caribe pede aumento do intercâmbio agroalimentar, diz FAO

Dois dos principais exportadores da região – México e Brasil – são também os principais importadores, com 30% e 13% do total durante o período 2010-2012.

Foto: EBC

Foto: EBC

Mesmo a América Latina e o Caribe sendo exportadores natos de alimentos – dentro da própria região –, 57% das importações agroalimentares vem de fora da região, afirmou por meio de um comunicado a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).

A região tem um enorme potencial para aumentar o comércio inter-regional, já que produz mais alimentos do que precisa para satisfazer as necessidades alimentares de todos os habitantes. Segundo a FAO, 18 dos 33 países são importadores natos de alimentos.

Cone Sul concentra 69% das exportações

O Brasil e a Argentina concentraram 58% das exportações agroalimentares da região durante o período 2010-2012, enquanto que o Cone Sul (incluindo Chile, Paraguai e Uruguai) respondeu por 69% e o México por 10%. A América Central e o Caribe representaram, juntas, pouco mais de 6% das exportações regionais.

Os principais produtos agroalimentares de exportação da região são soja (11%), preparações de uso animal (9%), café (6%), cana de açúcar (6%), outros preparos alimentícios (5%) e peixes (5%).

Dois dos principais exportadores da região – México e Brasil – são também os principais importadores, com 30% e 13% do total durante o período 2010-2012. Os seis países do Istmo da América Central concentraram 11,6% das importações regionais e os países do Caribe, 6,5%.

Saiba mais clicando aqui.