Lula adere à iniciativa da ONU pelo fim da violência contra as mulheres

A ‘Rede de Homens Líderes’ é parte da Campanha “UNA-SE Pelo fim da violência contra as mulheres” e busca inspirar homens e meninos a desafiar os estereótipos destrutivos e abraçar a igualdade.

O ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou nesta segunda-feira (11), no Instituto Lula, em São Paulo, o termo de adesão à Rede de Homens Líderes da Campanha do Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, UNA-SE Pelo fim da violência contra as mulheres. Crédito da foto: Heinrich Aikawa/Instituto Lula. (Mais fotos em http://bit.ly/14SlQoT)

O ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou nesta segunda-feira (11), no Instituto Lula, em São Paulo, o termo de adesão à Rede de Homens Líderes da Campanha do Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, UNA-SE Pelo fim da violência contra as mulheres. Crédito da foto: Heinrich Aikawa/Instituto Lula. (Mais fotos em http://bit.ly/14SlQoT)

O ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou nesta segunda-feira (11), no Instituto Lula, em São Paulo, o termo de adesão à Rede de Homens Líderes da Campanha do Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, “UNA-SE Pelo fim da violência contra as mulheres”.

“Deveria ser um documento assinado no berço, quando se nasce. É quase uma coisa que deveria estar no nosso DNA”, afirmou Lula sobre o documento sobre o fim da violência contra a mulher.

A campanha, que reúne diversas agências e escritórios da ONU, tem por objetivo prevenir e eliminar a violência contra mulheres e meninas em todas as partes do mundo. Neste esforço conjunto, os homens têm um papel fundamental a desempenhar e devem inspirar outros homens a manifestarem-se contra este tipo de violência, aponta a campanha.

Por este motivo, como uma iniciativa-chave da campanha ‘UNA-SE’, o Secretário-Geral da ONU criou a Rede de Homens Líderes, que trabalha para mobilizar homens e meninos a levantar suas vozes contra a violência, desafiar os estereótipos destrutivos e abraçar a igualdade.

O ex-Presidente Lula se junta a outros nomes de destaque no cenário internacional, como o ex-Primeiro-Ministro da Espanha José Luis Rodríguez Zapatero, o arcebispo da Igreja Anglicana na África do Sul e vencedor do Prêmio Nobel da Paz Desmond Tutu e o escritor brasileiro e Mensageiro da Paz das Nações Unidas Paulo Coelho.

A Representantes da Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres (ONU Mulheres), Rebecca Tavares, ressaltou que a violência contra a mulher ainda é aceita em muitas culturas.

Ela citou uma pesquisa feita no Butão em que 70% das mulheres consideram que o homem pode bater na mulher se ela queimar a comida. “Nós temos que mudar o pensamento e a cultura não somente dos homens, mas também das mulheres, dos jovens, das crianças”, observou.