Livros sobre refúgio para ler durante o afastamento social

Para celebrar o Dia Mundial do Livro, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) selecionou 12 obras, incluindo títulos para crianças e adultos, para ajudar as pessoas entenderem mais sobre o refúgio.

A cada minuto, 25 pessoas são deslocadas à força em decorrência de conflitos ou perseguições.

Nestes tempos difíceis, discutir o tema do refúgio é ainda mais relevante, uma vez que os refugiados estão entre as populações mais vulneráveis ao novo coronavírus.

Foto: Roger Arnold/ACNUR

No Dia Mundial do Livro, 23 de abril, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) escolheu 12 obras para ajudar as pessoas entenderem mais sobre o refúgio e se inspirarem a apoiar esta causa. A seleção inclui títulos para crianças e adultos.

Hoje, o mundo testemunha os maiores níveis de deslocamento já registrados na história. Mais de 70,8 milhões de pessoas foram forçadas a deixar suas casas.

Veja a seleção de livros para jovens e adultos:

1. A Memória do Mar

Autor: Khaled Hosseini

A obra é inspirada na história de Alan Kurdi, o menino sírio encontrado morto em uma praia da Turquia depois que o barco em que estava com a família e outras centenas de refugiados, naufragou. O autor, Khaled Hoseini, conhecido pelos best-sellers “O Caçador de Pipas” e “A Cidade Do Sol”, é Embaixador da Boa Vontade da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR). A tradução para o português é assinada por Pedro Bial, que apoia o trabalho da Agência no Brasil.

2. Passagem para o Ocidente

Autor: Mohsin Hamid

Numa cidade não nomeada, os jovens Saeed e Nadia iniciam um romance cercado pelas pressões religiosas e sacudido pela crescente violência de uma guerra civil. Ao lado dos protagonistas, o leitor é levado aos mais diversos cenários geográficos e humanos, numa jornada vertiginosa e cheia de surpresas. Eleito um dos dez melhores livros do ano de 2017 pelo jornal The New York Times e pela revista Time.

3. À Sombra da Figueira

Autora: Vaddey Ratner

Vaddey Ratner tinha apenas cinco anos quando o Khmer Vermelho chegou ao poder no Camboja. Nesta obra, a autora reconta suas próprias experiências através da menina Raami. Para a garota, o fim abrupto e trágico da infância começa com os passos de seu pai voltando para casa na madrugada, trazendo detalhes da guerra civil que invadiu as ruas de Phnom Pehn. Logo o mundo privilegiado da família real, do qual ela fazia parte, é misturado ao caos da revolução e ao deslocamento forçado.

4. Muito Longe de Casa

Autor: Ishmael Beah

As crianças são o principal grupo atingido pelas guerras atuais. Estima-se que cerca de 300 mil crianças estão envolvidas diretamente nos mais de cinquenta conflitos em curso na atualidade. Ishmael Beah era uma delas. Em “Muito longe de casa”, Beah conta uma história forte: aos doze anos fugiu do ataque de rebeldes e vagou por uma terra destruída pela violência. Aos treze, foi recrutado pelo Exército do governo de Serra Leoa e descobriu que era capaz de atrocidades inimagináveis. Este é um relato raro e hipnotizante, contado com força literária e uma honestidade de cortar o coração.

5. Hibisco Roxo

Autora: Chimamanda Ngozi

Quando a Nigéria começa a desmoronar sob um golpe militar, Kambili e seu irmão Jaja são mandados para a casa da irmã de seu pai, uma professora universitária, cuja casa é barulhenta e cheia de gargalhadas. Ali, Kambili e o irmão descobrem uma vida e um amor que ultrapassam os limites da autoridade do pai. Em um romance que mistura autobiografia e ficção, Chimamanda Ngozi Adichie – uma das mais aclamadas escritoras da atualidade – traça, de forma sensível e surpreendente, um panorama social, político e religioso da Nigéria atual.

6. Persépolis

Autora: Marjana Satrapi

Marjane Satrapi tinha apenas dez anos quando se viu obrigada a usar o véu islâmico. Nascida numa família moderna e politizada, em 1979 ela assistiu ao início da revolução iraniana e aos conflitos que dali se desdobraram. Este emocionante, e muitas vezes bem-humorado, livro de memórias aborda a juventude sob o pano de fundo de um regime fundamentalista. Em Persépolis, o pop encontra o épico, o oriente toca o ocidente, o humor se infiltra no drama, e o Irã parece muito mais próximo do que poderíamos suspeitar.

7. Longe de Casa: Minha Jornada e Histórias de Refugiadas Pelo Mundo

Autora: Malala Yousafzai

Neste livro, a mais jovem ganhadora do prêmio Nobel da paz conta sua história e dá voz a garotas que estão entre os milhões de refugiados pelo mundo. Em “Longe de casa”, que é ao mesmo tempo um livro de memórias e uma narrativa coletiva, Malala explora sua própria trajetória de vida e apresenta as histórias de nove garotas de várias partes do mundo, do Oriente Médio à América Latina. Todas tiveram que deixar para trás sua comunidade, seus parentes e o único lar que conheciam.

Veja a seleção de livros para crianças:

8. Amal e a viagem mais importante da sua vida (Faixa etária: 4+)

Autores: Carolina Montenegro e Ricardo Moriconi

Amal é uma menina que deixa sua vida na Síria, viajando sozinha, de carona, a pé e até em bote improvisado pela Turquia, Grécia e Itália. Pelo caminho, conhece outras crianças vindas de outros países na mesma situação. O livro, que contou com o apoio da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), é uma homenagem às milhões de crianças refugiadas e, em especial, àquelas que viajam sozinhas pelo mundo para sobreviver. Além do formato impresso, a obra também está disponível via aplicativo, onde o leitor pode fazer uma doação para projetos humanitários do ACNUR.

9. A Menina que Abraça o Vento (Faixa etária: 3+)

Autoras: Fernanda Paraguassu e Suryara Bernardi

O livro conta a história de Mersene, uma garotinha refugiada da República Democrática do Congo que encontrou no Brasil seu novo lar. “Abraçar o vento” é uma analogia à imensa saudade que a personagem tem do pai e de tudo o que ficou para trás ao fugir do conflito do seu país. A história de Mersene foi inspirada em histórias reais de meninas congolesas refugiadas na cidade do Rio de Janeiro.

10. Migrando (Faixa etária: 10+)

Autora: Mariana Chiesa Mateos

Este é um livro que permite ao leitor inventar sua própria versão da história, uma vez que pode ser lido em duas direções. Sem palavras, de duas capas e duas narrativas de viagens com diferentes pontos de partida, a obra conduz perspectivas paralelas de quem deixou seus países de origem para viver em outro lugar. Seus dramas e sofrimentos, assim como a coragem, saudade e esperança são expressas por meio de imagens poéticas.

11. Eu sou uma Noz (Faixa etária: 8+)

Autora: Beatriz Osés

Omar “cai” no quintal de uma advogada, vindo de um lugar longínquo, num barco-noz que naufragou. O livro aborda, de forma emocionante e lúdica, o que pensam as crianças diante da situação de refúgio. Ganhadora do prêmio espanhol Edebé de Literatura Infantil 2018, a obra transmite valores como a solidariedade, convivência social, afeto e importância da identidade.

12. Eloísa e os Bichos (Faixa etária: 7+)

Autor: Jairo Buitrago | Tradutora: Márcia Leite

“Eu não sou daqui”: assim começa a história de Eloísa. Por estar em uma nova cidade, diferente de tudo o que conhecia, a garota se sente como um bicho estranho, mesmo que ela e sua família sejam os únicos humanos em meio a insetos. A narrativa aborda temas como o estranhamento com o novo, ao mesmo tempo que sustenta a importância do tempo, da tolerância e respeito à diversidade como chaves para lidar com problemas sociais como o deslocamento.

Títulos bônus:

Layla, a menina síria

Autores: Rosi Vilas Boas, Cassiana Pizaia e Rima Awada

Layla nasceu em Alepo, no Síria. Ela e sua família deixaram o país para escapar da guerra e embarcaram em uma jornada em busca de segurança. Layla divide com o leitor tudo o que viveu antes de finalmente chegar ao Brasil, mostrando o significado de empatia, superação e coragem.

Refugiados, o Grande Desafio Humanitário

Autor: Gilberto M. A. Rodrigues

Quem são os refugiados? De onde vêm? Por que fogem de seus países? Desde o século XX, essas perguntas desafiam o mundo atual e são tema dessa obra. Violência, perseguição e conflitos armados atingem diretamente milhares de pessoas e as forçam a deixar tudo para trás. O grande desafio humanitário exige o fim das guerras e das perseguições, demanda mais recursos emergenciais dos países desenvolvidos e mais abertura de suas fronteiras para acolher refugiados. Mas pede também que os países recebam os refugiados com solidariedade e hospitalidade, sem medo e sem preconceito. A obra abre caminhos para importantes reflexões na área de refúgio e migração forçada.