Livros abrem caminho para a compreensão mútua entre as pessoas, diz UNESCO em dia mundial

Em mensagem para o Dia Mundial do Livro e dos Direitos Autorais, lembrado em 23 de abril, a diretora-geral da UNESCO, Audrey Azoulay, afirmou que os livros “são aliados na difusão da educação, das ciências, da cultura e da informação para todas as partes do mundo”. Para a dirigente, a palavra escrita consegue abrir caminho “para o respeito e a compreensão mútua entre as pessoas, independentemente das fronteiras e das diferenças”.

Livros são veículos da educação, ciência e cultura, lembra UNESCO em dia mundial. Foto: PEXELS (CC)/mentatdgt

Livros são veículos da educação, ciência e cultura, lembra UNESCO em dia mundial. Foto: PEXELS (CC)/mentatdgt

Em mensagem para o Dia Mundial do Livro e dos Direitos Autorais, lembrado em 23 de abril, a diretora-geral da UNESCO, Audrey Azoulay, afirmou que os livros “são aliados na difusão da educação, das ciências, da cultura e da informação para todas as partes do mundo”. Para a dirigente, a palavra escrita consegue abrir caminho “para o respeito e a compreensão mútua entre as pessoas, independentemente das fronteiras e das diferenças”.

“Nesta época turbulenta, os livros representam a diversidade da genialidade humana, dão forma à riqueza de nossas experiências, transmitem a busca pelo significado e pela expressão que todos nós compartilhamos e que fazem avançar as sociedades”, enfatizou a chefe da agência da ONU para comemorar a data.

“Os livros ajudam a unir a humanidade em uma só família, compartilhando um passado, uma história e um patrimônio, a fim de construir um destino comum, onde todas as vozes são ouvidas em um grande coro de aspiração humana.”

Audrey defendeu os livros como meios para valorizar idiomas e culturas. “Cada publicação é criada em uma língua distinta e é dedicada a um público de leitores daquela língua. Assim, cada livro é escrito, produzido, trocado, utilizado e apreciado em um dado contexto linguístico e cultural”, ressaltou a dirigente.

Segundo a chefe da UNESCO, o papel central da palavra escrita na conservação da riqueza linguística é tema fundamental para os países da ONU em 2019, Ano Internacional das Línguas Indígenas. O período, lembrou Audrey, “é liderado pela UNESCO para reafirmar o compromisso da comunidade internacional em apoiar os povos indígenas na preservação de suas culturas, conhecimento e direitos”.

“Este dia oferece uma oportunidade para refletirmos juntos sobre as formas para melhor disseminar a cultura da palavra escrita e permitir seu acesso a todos os indivíduos, homens, mulheres e crianças”, acrescentou a autoridade da agência das Nações Unidas.

A partir desta terça-feira, a cidade de Sharjah, nos Emirados Árabes Unidos, passa a ser reconhecida como Capital Mundial do Livro de 2019. O título reconhece o programa do município Leia, você está em Sharjah, que visa alcançar grupos marginalizados ao oferecer propostas criativas para encorajar a participação das populações migrantes e favorecer a inclusão social e o respeito.

“Nós nos unimos a Sharjah, a nossos parceiros, à Associação Internacional de Editores, à Federação Internacional de Livrarias e à Federação Internacional de Associações de Bibliotecários e Bibliotecas, bem como a toda a comunidade internacional, para celebrar os livros, considerando-os como a representação da criatividade e do desejo de compartilhar ideias e conhecimento, de modo a inspirar a compreensão, o diálogo e a tolerância”, completou Audrey.

Voir cette publication sur Instagram

@UNESCOBrasil: Hoje é o Dia Mundial do Livro 📚 e dos Direitos Autorais Nesta época turbulenta, os livros representam a diversidade da genialidade humana, dão forma à riqueza de nossas experiências, transmitem a busca pelo significado e pela expressão que todos nós compartilhamos, e que fazem avançar as sociedades. Os livros ajudam a unir a humanidade em uma só família, compartilhando um passado, uma história e um patrimônio, a fim de construir um destino comum, onde todas as vozes são ouvidas em um grande coro de aspiração humana. Eles são nossos aliados na difusão da educação, das ciências, da cultura e da informação para todas as partes do mundo. Os livros também são uma forma de expressão cultural que ganha vida e faz parte de uma língua específica. Cada publicação é criada em uma língua distinta e é dedicada a um público de leitor daquela língua. Assim, cada livro é escrito, produzido, trocado, utilizado e apreciado em um dado contexto linguístico e cultural. Este ano, destacamos este aspecto importante porque 2019 marca o Ano Internacional das Línguas Indígenas, que é liderado pela @UNESCO para reafirmar o compromisso da comunidade internacional em apoiar os povos indígenas na preservação de suas culturas, conhecimento e direitos. Este Dia oferece uma oportunidade para refletirmos juntos sobre as formas para melhor disseminar a cultura da palavra escrita e permitir seu acesso a todos os indivíduos, homens, mulheres e crianças. #DiaMundialDoLivro #WorldBookDay

Une publication partagée par ONU Brasil (@onubrasil) le