Líderes mundiais adotam Declaração Política de Alto Nível sobre cobertura universal de saúde

Líderes mundiais adotaram nesta segunda-feira (23) uma Declaração Política de Alto Nível das Nações Unidas sobre cobertura universal de saúde, o conjunto mais abrangente de compromissos já adotado sobre o tema.

“Esta declaração representa um marco para a saúde e o desenvolvimento global”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS). “O mundo tem 11 anos para cumprir seus objetivos de desenvolvimento sustentável. A cobertura universal de saúde é essencial para garantir que isso aconteça.”

Tijjani Muhammad-Bande, presidente da 74ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas, discursa na reunião de alto nível sobre Cobertura Universal de Saúde. Foto: ONU/Kim Haughton

Tijjani Muhammad-Bande, presidente da 74ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas, discursa na reunião de alto nível sobre Cobertura Universal de Saúde. Foto: ONU/Kim Haughton

Líderes mundiais adotaram nesta segunda-feira (23) uma Declaração Política de Alto Nível das Nações Unidas sobre cobertura universal de saúde, o conjunto mais abrangente de compromissos já adotado sobre o tema.

“Esta declaração representa um marco para a saúde e o desenvolvimento global”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS). “O mundo tem 11 anos para cumprir seus objetivos de desenvolvimento sustentável. A cobertura universal de saúde é essencial para garantir que isso aconteça.”

Ele acrescentou que “a cobertura universal de saúde é uma escolha política: hoje os líderes mundiais sinalizam sua prontidão para fazer essa escolha. Eu os cumprimento.”

A declaração ocorre um dia após a OMS e seus parceiros sinalizarem a necessidade de duplicar a cobertura de saúde entre agora e 2030 sob o risco de deixar até 5 bilhões de pessoas incapazes de acessar os serviços de saúde.

Ao adotar a declaração, os Estados-membros da ONU se comprometeram a avançar em direção à cobertura universal de saúde, investindo em quatro áreas principais em torno da atenção primária.

Isso inclui mecanismos para garantir que ninguém sofra dificuldades financeiras por ser obrigado a pagar cuidados de saúde com dinheiro do próprio bolso e implementar intervenções de saúde de alto impacto para combater doenças e proteger a saúde de mulheres e crianças.

Além disso, os países devem fortalecer a força de trabalho e a infraestrutura de saúde e reforçar a capacidade de governança. Eles reportarão seu progresso à Assembleia Geral da ONU em 2023.

“Agora que o mundo se comprometeu com a saúde para todos, é hora de começar o trabalho duro de transformar esses compromissos em resultados”, disse Melinda Gates, co-presidente da Fundação Bill & Melinda Gates.

“Todos temos um papel a desempenhar. Doadores e governos dos países precisam ir além dos negócios como de costume para reforçar os sistemas de atenção primária à saúde que atendem a maioria das necessidades das pessoas ao longo da vida”, disse Melinda.

Na terça-feira (24), a OMS e outras 11 organizações multilaterais, que coletivamente canalizam um terço da assistência ao desenvolvimento em saúde, lançarão seu Plano de Ação Global para saúde e bem-estar para todos. O plano garantirá que os 12 parceiros forneçam um apoio mais otimizado aos países para ajudar a oferecer cobertura universal de saúde e alcançar as metas dos ODS relacionados ao tema.