Líderes iraquianos devem parar imediatamente violência e proteger civis, diz enviado da ONU

Novos ataques no início da semana deixaram mais 50 mortos, causando a condenação da ONU e reforçando alertando por necessidade de fortalecimento do diálogo político.

Representante especial da ONU no Iraque, Martin Kobler. Foto: ONU/ Bikem Ekberzade

Representante especial da ONU no Iraque, Martin Kobler. Foto: ONU/ Bikem Ekberzade

A principal autoridade das Nações Unidas no Iraque pediu nesta terça-feira (28) aos líderes do país para deter o derramamento de sangue que matou e feriu nas últimas semanas dezenas de civis inocentes.

“Eu mais uma vez apelo a todos os líderes iraquianos a fazer todo o possível para proteger os civis iraquianos”, disse o representante especial do secretário-geral da ONU, Martin Kobler. “É sua responsabilidade de parar o derramamento de sangue agora.”

De acordo com relatos da mídia, mais de 50 pessoas foram mortas em uma onda de ataques com carros-bomba em diversas áreas comerciais lotadas de Bagdá nesta segunda-feira (7), apesar do fortalecimento de medidas de segurança.

Nos ataques mais recentes, ocorreram duas explosões perto de uma mesquita sunita ao norte de Bagdá, matando pelo menos 43 pessoas e ferindo mais de 80 há menos de duas semanas.

Kobler tem apelado repetidamente às autoridades iraquianas para tomar medidas decisivas para interromper a escalada de violência. No início deste mês, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu a todos os iraquianos para se unir e se engajar em um diálogo inclusivo para superar a “crise política profunda” que o país enfrenta.

“É responsabilidade dos políticos agir imediatamente e se engajar para o diálogo para resolver o impasse político e não deixar que os terroristas se beneficiem de suas diferenças políticas”, disse Kobler.

“Nós continuaremos a lembrar os líderes do Iraque que o país irá para um caminho desconhecido e perigoso se não tomar medidas imediatas.”