Levar saúde para todos implica combater discriminação, defende chefe de programa da ONU sobre HIV/AIDS

‘Não cumpriremos o direito à saúde para todos se não enfrentarmos e eliminarmos o estigma e a discriminação’, alertou o diretor-executivo do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), Michel Sidibé, em encontro neste mês, em Genebra. Dirigente participou da 41ª reunião da Junta de Coordenação da agência da ONU. Entidade determinou que 25% do orçamento do organismo internacional será investido em iniciativas de prevenção do HIV.

Foto: UNAIDS

Foto: UNAIDS

“Não cumpriremos o direito à saúde para todos se não enfrentarmos e eliminarmos o estigma e a discriminação”, alertou o diretor-executivo do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), Michel Sidibé, em encontro neste mês, em Genebra. Dirigente participou da 41ª reunião da Junta de Coordenação da agência da ONU. Entidade determinou que 25% do orçamento do organismo internacional será investido em iniciativas de prevenção do HIV.

Presente na abertura da plenária, Sidibé destacou o progresso significativo alcançado no acesso à terapia antirretroviral e na redução de novas infecções por HIV entre as crianças. Até junho de 2017, 20,9 milhões de pessoas vivendo com HIV tinham acesso ao tratamento. Em 200, o número não passava de 700 mil.

Para o chefe do UNAIDS, a nova Agenda 2030 da ONU exige combater o preconceito e a criminalização que, em alguns países, ainda ameaçam a população vivendo com o vírus da AIDS. “Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável exigem uma abordagem diferente de saúde e de desenvolvimento. O UNAIDS continua a ser um líder nesta frente”, acrescentou.

Realizada dos dias 12 a 14 dezembro, a 41ª reunião da Junta de Coordenação se encerrou com um apelo por contribuições adicionais de doadores e Estados-membros para o orçamento do UNAIDS. Argentina, Costa do Marfim e Gana foram reconhecidos por terem liberado recentemente recursos para o programa. China, Dinamarca, Alemanha, Polônia e Suécia foram elogiadas pelo aumento no apoio financeiro.