Kadafi e oposição cometeram crimes de guerra, afirma Comissão da ONU

Membros da Comissão de Inquérito das Nações Unidas para a Líbia confirmaram nesta sexta-feira (02/03) que tanto o exército do ex-ditador Kadafi quanto as forças de oposição ao regime cometeram crimes de guerra durante a guerra civil no país.

“Atos de homicídio, desaparecimento forçado e tortura foram cometidos no contexto de um ataque generalizado e sistemático contra uma população civil”, afirma o comunicado conjunto dos membros da comissão, Philippe Kirsch, Cherif M. Bassiouni e Asma Khader.

As forças anti-Kadafi foram lembradas, principalmente, pelos crimes de matança ilegal, detenção arbitrária, tortura, desaparecimento forçado, ataques indiscriminados e roubo. De acordo com o relatório, o principal alvo dos ataques da oposição foram membros da Comunidade Tawergha.

A Comissão ressaltou que o atual governo de transição adotou importantes medidas para restaurar o respeito aos direitos humanos no país e julgar culpados pelas violações. A Comissão informou que o sistema judiciário reabriu alguns tribunais e chamou de volta juízes. Progresso também foi feito na transferência de detidos ao controle do governo central.

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) foi lembrada pela comissão por sua “ precisa campanha militar que demonstrou determinação em impedir fatalidades entre civis.” No entanto, em ocasiões específicas, ataques da OTAN causaram mortes de civis e atingiram alvos que não mostraram evidências de utilidade militar.

“A Comissão não pôde tirar conclusões em tais casos com base nas informações fornecidas pela OTAN e recomenda novas investigações”, afirma o relatório.