Juiz das Câmaras Extraordinárias do Tribunal do Camboja promete dar continuidade às investigações

Declaração foi feita após renúncia de colega que citou declarações dadas pelo Governo sobre investigações de ex-membros do exército do regime do Khmer Vermelho.

O juiz You Bunleng, co-investigador nacional das Câmaras Extraordinárias do Tribunal do Camboja (ECCC), afirmou nesta quarta-feira (12/10) que vai continuar cumprindo seu mandato, apesar da renúncia de seu colega na semana passada. O juiz Siegfried Blunk, então co-investigador internacional, enviou sua carta de renúncia ao Secretário-Geral da ONU no último sábado (08), citando as declarações repetidas dadas por autoridades do Governo sobre os casos 003 e 004 e uma suposta interferência nas investigações.

O caso 003 envolve dois ex-membros do exército do regime do Khmer Vermelho suspeitos de serem responsáveis pela morte de milhares de pessoas, enquanto o caso 004 diz respeito ao envolvimento de outros três membros.

Por meio de uma declaração, Bunleng disse que a renúncia de seu colega foi “muito surpreendente”. Ele afirmou que as investigações dos casos 003 e 004 foram conduzias pelo escritório dos juízes de forma “independente e sem nenhum obstáculo”. Ele reiterou que vai continuar seu trabalho de forma independente e de acordo com as regras internas das ECCC. Ele disse estar decidido a resistir a qualquer tentativa de interferir no seu trabalho.

De acordo com um comunicado lançado pelo tribunal, após ser nomeado, Blunk deu prosseguimento às investigações dos casos 003 e 004 com a expectativa de que a declaração feita pelo Primeiro-Ministro do Camboja ao Secretário-Geral da ONU de que estes casos “não seriam permitidos” não refletisse as políticas do Governo.