Juiz brasileiro será responsável pelos arquivos do tribunal que julgou nazistas alemães

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Os arquivos do Tribunal Militar de Nuremberg — a corte responsável por julgar réus envolvidos nas atrocidades cometidas pelo regime nazista da Alemanha — passarão a fazer parte das exposições permanentes do Museu do Holocausto, em Washington, e do Memorial da Shoa, em Paris. A informação foi dada ao serviço de notícias da ONU em português, a ONU News, pelo brasileiro e juiz da Corte Internacional de Justiça (CIJ), Antônio Augusto Cançado Trindade, que ficará encarregado da custódia do acervo.

Palácio da Paz em Haia, sede da Corte Internacional de Justiça, em 1957. Foto: ONU/VW

Palácio da Paz em Haia, sede da Corte Internacional de Justiça, em 1957. Foto: ONU/VW

Os arquivos do Tribunal Militar de Nuremberg — a corte responsável por julgar réus envolvidos nas atrocidades cometidas pelo regime nazista da Alemanha — passarão a fazer parte das exposições permanentes do Museu do Holocausto, em Washington, e do Memorial da Shoa, em Paris. A informação foi dada ao serviço de notícias da ONU em português, a ONU News, pelo brasileiro e juiz da Corte Internacional de Justiça (CIJ), Antônio Augusto Cançado Trindade, que ficará encarregado da custódia do acervo.

“Pela primeira vez, isso será dado a público, e eu tenho uma honra enorme de ser o responsável por esta custódia com vistas a contribuir ainda mais a preservar a história, a luta contra a crueldade humana e em defesa dos valores comuns superiores, que orientam toda a comunidade internacional”, explicou o magistrado sobre a importância da divulgação dos registros de Nuremberg.

A autorização para os novos usos dos arquivos partiu do Departamento Jurídico das Nações Unidas. Os materiais são parte da coleção da Biblioteca da CIJ, que recebeu o acervo do Tribunal de Nuremberg em outubro de 1946. O acervo reúne vídeos, documentos, gravações em discos de metal e uma série de exibições. A coleção da Biblioteca da CIJ tem cerca de 60 mil volumes com mais de 30 mil títulos, mas não é aberta ao público.

Confira abaixo a entrevista de Cançado Trindade para a ONU News, concedida pelo juiz logo após sua reeleição para a CIJ, na semana passada:


Comente

comentários