Jovens venezuelanas jogam amistoso com time de futebol feminino de Roraima

O time de futebol feminino Meninas Guerreiras Brasil-Venezuela, formado por adolescentes e jovens venezuelanas, jogou no sábado (24) um amistoso em Boa Vista (RR) com jogadoras brasileiras profissionais que fazem parte do time de futebol feminino Atlético Roraima.

A disputa ocorreu no campo esportivo do abrigo Rondon 3, em Roraima, e foi organizado pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) com apoio da Operação Acolhida — resposta humanitária a refugiados e migrantes venezuelanos implementada por governo federal, agências da ONU e organizações da sociedade civil — e do Atlético Roraima.

O time das Meninas Guerreiras faz parte de um projeto de esporte apoiado pelo Fundo das Nações Unidas para Infância (UNICEF), Visão Mundial, Operação Acolhida e o UNFPA na resposta humanitária em Roraima.

Com apoio do UNFPA, Meninas Guerreiras desenharam o próprio uniforme. Foto: UNFPA/Yareidy Perdomo

Com apoio do UNFPA, Meninas Guerreiras desenharam o próprio uniforme. Foto: UNFPA/Yareidy Perdomo

O time de futebol feminino Meninas Guerreiras Brasil-Venezuela, formado por adolescentes e jovens venezuelanas, jogou no sábado (24) um amistoso em Boa Vista (RR) com jogadoras brasileiras profissionais que fazem parte do time de futebol feminino Atlético Roraima.

A disputa ocorreu no campo esportivo do abrigo Rondon 3, em Roraima, e foi organizado pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) com apoio da Operação Acolhida — resposta humanitária a refugiados e migrantes venezuelanos implementada por governo federal, agências da ONU e organizações da sociedade civil — e do Atlético Roraima.

Com o objetivo de promover a resiliência comunitária e a inserção das jovens e adolescentes na comunidade de Boa Vista, a parceria com o Atlético Roraima foi firmada com coordenação do treinador da equipe, Benazi Hats.

“Todo evento que envolve futebol feminino é bem vindo, estamos aqui para colaborar e dizer para as nossas amigas venezuelanas que, sempre que elas precisarem, nós estaremos aqui para jogar e compartilhar esses momentos bons do futebol”, disse.

O UNFPA vem realizando ações de fortalecimento para apoiar o time. Desta vez, o encontro comemorou a entrega dos uniformes que elas próprias conceberam, na cor roxa, trazendo a frase “Vivamos un mundo sin discriminación”.

A oficina para concepção do uniforme foi realizada em um espaço onde elas puderam se aproximar e construir juntas a identidade do time. No mesmo dia, foram discutidos temas como violência baseada em gênero, saúde sexual e reprodutiva e direitos humanos.

“Estou muito feliz, esperamos muito tempo para termos o uniforme. Fizemos como queríamos e escrevemos uma frase que é importante para nós. Ficou muito bonito, agora todas podemos praticar e jogar uniformizadas”, disse Victoria Malave, jogadora de 11 anos do time Meninas Guerreiras.

“Eu jogo futebol desde que sou uma criança, continuar jogando é meu sonho e este encontro é maravilhoso para nós porque mostra a nossa possibilidade de continuar”, completou Katiuska Rodriguez, de 15 anos.

Nesse segundo encontro promovido pelo UNFPA, as jogadoras do time roraimense compartilharam suas experiências e expectativas como jogadoras. “Só o fato de ser mulher já é um desafio muito grande e o futebol feminino enfrenta muito preconceito, porque culturalmente o futebol é para homens, então, estamos aqui para quebrar esse preconceito e paradigmas, para dizer que também podemos jogar futebol, também temos direito a nos divertir através do futebol”, comentou Julianny Amancio, da comissão técnica do Clube Atlético Roraima Feminino.

O time das Meninas Guerreiras faz parte de um projeto de esporte apoiado pelo Fundo das Nações Unidas para Infância (UNICEF), Visão Mundial, Operação Acolhida e o UNFPA na resposta humanitária em Roraima.

O treinador ministra as aulas de futebol para diferentes categorias de crianças, adolescentes e jovens. “Tive o prazer de participar desse momento importante da entrega dos uniformes e temos hoje o privilégio de assistir a esse jogo amistoso com o time feminino de Roraima. Desejo vida longa a esse projeto”, afirmou o Chefe do Estado Maior Conjunto da Operação Acolhida, Georges Kanaan.