Jornalistas fazem curso no Rio sobre cobertura em áreas de conflito

Começa na próxima segunda-feira, dia 11 de maio, a segunda edição do Curso de Preparação para Jornalistas em Áreas de Conflito. Com duração de uma semana, o curso tem por principal objetivo oferecer aos profissionais da mídia as ferramentas necessárias para cobrir, com segurança e eficiência, missões de paz das Nações Unidas, conflitos armados ou acompanhar operações policiais em áreas de risco.

Começa na próxima segunda-feira, dia 11 de maio, a segunda edição do Curso de Preparação para Jornalistas em Áreas de Conflito. Com duração de uma semana, o curso tem por principal objetivo oferecer aos profissionais da mídia as ferramentas necessárias para cobrir, com segurança e eficiência, missões de paz das Nações Unidas, conflitos armados ou acompanhar operações policiais em áreas de risco.

Com duração de uma semana, o curso será ministrado por profissionais do Comando Militar do Leste – por meio do Centro de Instrução de Operações de Paz (CI Op Paz) -, do Centro de Comunicação Social do Exército (CCOMSEx), da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (ECEME) e do Centro de Informação das Nações Unidas no Brasil (UNIC Rio). Também está prevista a participação especial de diversos convidados.

As aulas, teóricas e práticas, acontecerão nas instalações do CI Op Paz, localizado na Vila Militar do Rio de Janeiro. Vinte jornalistas, de diversos órgãos do país e do exterior, foram selecionados para participar.

Estrutura do Curso
No primeiro dia, haverá palestras sobre a política externa brasileira, a doutrina militar de defesa e sobre o Sistema das Nações Unidas e a partir do segundo dia, os alunos serão inseridos no contexto de um país fictício, o Tudistão, país dividido por uma guerra civil e palco de uma missão da ONU, também fictícia, a UNMITUD (UN Mission in Tudistan). Os alunos estarão instalados em um batalhão brasileiro desdobrado próximo à linha de cessar-fogo, onde passarão a obter conhecimentos de como vivem as tropas nessas condições. Também terão conferências sobre o papel da mídia no cenário global, a influência da mídia nos conflitos e amparo jurídico para a imprensa, entre outras.

Nos dois últimos dias, os alunos viverão junto com uma das companhias do batalhão, dormindo em barracas e aprendendo a identificar riscos e a como proceder diante de situações perigosas, como bombardeios aéreos e terrestres, campo de minas e conduta como refém. Também aprenderão as regras básicas de orientação, primeiros socorros e identificação de material de guerra.