Jornalista etíope atualmente detida ganha prêmio mundial de liberdade de imprensa da UNESCO

A jornalista etíope Reeyot Alemu é a ganhadora do Prêmio Mundial de Liberdade de Imprensa UNESCO-Guillermo Cano 2013.

A premiação, que homenageia o trabalho de pessoas ou organizações que contribuíram de forma notável para a defesa e/ou para a promoção da liberdade de expressão no mundo, é concedida anualmente no dia 3 de maio, por ocasião do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa. Este ano, a celebração será realizada na Costa Rica.

Alemu foi recomendada por um júri internacional independente de profissionais da mídia, em reconhecimento por sua “excepcional coragem, resistência e comprometimento com a liberdade de expressão”. O júri levou em conta sua contribuição com inúmeras publicações independentes.

Reeyot Alemu escreveu de forma crítica sobre questões políticas e sociais, enfocando as causas originárias da pobreza e a igualdade de gênero para diversos meios de comunicação independentes.

Em 2010, fundou sua própria editora e uma revista mensal chamada “Change”, sendo ambas fechadas em seguida. Em junho de 2011, enquanto trabalhava como colunista regular do “Feteh”, um jornal semanal etíope, Alemu foi presa. Atualmente, ela cumpre uma sentença de cinco anos na prisão de Kality.