Italiana Elena Abbati é a nova diretora do UNODC no Brasil

O Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) no Brasil anunciou nesta terça-feira (7) que sua nova diretora, a italiana Elena Abbati, assumirá suas funções em 8 de janeiro.

Abbati enfatizou que, a partir de 2020, o UNODC pretende avançar nas suas principais áreas de atuação no país.

“O mandato do UNODC tem grande sinergia com o Brasil. O UNODC tem ajudado a tornar o mundo mais seguro contra drogas, crime organizado, corrupção e terrorismo”, declarou.

Elena Abbati é nova diretora do UNODC no Brasil. Foto: UNODC

Elena Abbati é nova diretora do UNODC no Brasil. Foto: UNODC

O Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) no Brasil anunciou nesta terça-feira (7) que sua nova diretora, a italiana Elena Abbati, assumirá suas funções em 8 de janeiro.

Com mais de 20 anos de experiência profissional internacional na África Ocidental, Central e Oriental, no Oriente Médio, na Europa Ocidental e Oriental, na Ásia, além de três anos de experiência profissional na América Latina, Abbati trabalha no UNODC desde junho de 2014.

Entre 2016 e 2020, atuou como assessora sênior de aplicação da lei no Escritório Regional do UNODC para a África Ocidental e Central, no Senegal, onde dirigiu a Seção de Crime Organizado e Tráfico Ilícito, que cobre 22 países, prestando assistência às prioridades nacionais e promoção da cooperação internacional. Ela liderou a gestão de desenvolvimento e implementação de um amplo portfólio de programas que abrange o combate ao narcotráfico, ao crime organizado, ao crime marítimo, ao tráfico de pessoas e à lavagem de dinheiro em contextos complexos e desafiadores.

De 2014 a 2016, coordenou um dos principais programas globais do UNODC, o AIRCOP, que visa a fortalecer as capacidades dos aeroportos internacionais de África, América Latina, Caribe, Oriente Médio e Europa para detectar e interceptar drogas, outros bens ilícitos e passageiros de alto risco. Nessa função, promoveu a cooperação policial internacional, que resultou no acordo entre o Programa INTERCOPS da PF e o Projeto AIRCOP, implementado pelo UNODC em parceria com INTERPOL e OMA.

Antes de se somar à equipe do UNODC, Abbati trabalhou ativamente na diplomacia internacional e na construção da paz com o Escritório das Nações Unidas para a África Ocidental e o Sahel (UNOWAS) da Comissão Mista Camarões-Nigéria para a Demarcação de Fronteiras e Promoção da Paz. Anteriormente, havia trabalhado no Serviço de Instrumentos de Política Externa da Comissão Europeia, bem como no Ministério das Relações Exteriores da Itália, atuando em vários países, em quatro continentes.

Abbati é mestre em Ciência Política pela Universidade Internacional Livre de Estudos Sociais L.U.I.S.S. Guido Carli, em Roma, na Itália.

“O mandato do UNODC tem grande sinergia com o Brasil. O UNODC tem ajudado a tornar o mundo mais seguro contra drogas, crime organizado, corrupção e terrorismo”, declarou.

“Desde 1991, atuamos no Brasil e implementamos diversos bem-sucedidos programas em parceria com o governo brasileiro”, afirmou.

Abbati enfatizou que, a partir de 2020, o UNODC pretende avançar nas suas principais áreas de atuação. “Existem muitas oportunidades de parceria com o governo brasileiro no marco das prioridades nacionais na prevenção do crime, no problema mundial das drogas tanto quanto à oferta quanto à demanda e no combate à corrupção”, acrescentou.

“Além disso, o Escritório está comprometido em apoiar o Brasil na implementação da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. A Agenda 2030 reconhece que o estado de direito e um sistema de justiça criminal efetivo, eficaz, eficiente bem como a resposta às drogas sob perspectiva de saúde, são facilitadores do desenvolvimento sustentável”, concluiu.

Para Abbati, o Brasil já realizou muitos avanços nessas áreas e tem tudo para se tornar um exemplo de boas práticas para a região e o mundo.